Em Berlim, skatista andrógina é prêmio brasileiro

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Cultura, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado sábado, 29 de fevereiro de 2020 as 16:08, por: CdB

Enquanto o governo Bolsonaro, conhecidoi por sua transfobia, tenta destruir o cinema brasileiro, como denunciou a produtora Sara Silveira, os filmes brasileiros conquistaram a crítica e os expectadores do 70. Festival Internacional de Cinema de Berlim.

Rui Martins, do Festival Internacional de Cinema de Berlim:
O transfóbico Bolsonaro não deve ter gostado

O primeiro prêmio anunciado e conquistado pelo cinema brasileiro foi o Prêmio do Júri para a melhor longa metragem da mostra Geração, dedicada aos jovens cineastas e aos temas da juventude.

Meu Nome é Bagdá, de Caru Alves de Souza, recebeu esse prêmio por unanimidade dos membros do júri, que assim justificaram sua escolha:

“Por unanimidade, escolhemos o filme vencedor: uma impressionante peça de liberdade, cheia de maravilhosas amizades, música, movimento e solidariedade. Era impossível não ficar impressionado com a protagonista, com as pessoas ao seu redor e era também impossível esquecer o clímax glorioso e poderoso deste filme. Isso é prova de que a vida pode não fazer milagres por nós, mas podemos superar todos os obstáculos se seguirmos nossa paixão”.

O prêmio é para Caru Alves de Souza, a diretora, mas é também para a atriz Grace Orsato, interpretando a jovem skatista andrógina Bagdá. Para Caru, o filme conta a solidariedade existente entre as mulheres e sobre suas dificuldades cotidianas”. Um filme no qual se joga muito com a improvisação e mostrando a amizade num grupo de jovens.
Para Caru, o tema do skate não era nenhuma novidade, pois ela mesma praticava skate aos 16 anos. A escritura do filme tinha começado há dois anos e foi sendo montada cena por cena, Caru fez nessa ocasião um levantamento das principais pistas de skate em São Paulo. O roteiro foi sendo pensado em alguns meses, mas o texto final “veio como um enxurrada”, como ela diz. Caru é filha da cineasta Tatá Amaral, mas já se impôs ela própria como cineasta.
Rui Martins, do Festival Internacional de Cinema de Berlim.