Em dia de cautela, dólar mantém estabilidade ante o real

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 29 de outubro de 2019 as 13:13, por: CdB

Na segunda-feira, a moeda norte-americana encerrou em queda de 0,44% na segunda-feira, a R$ 3,9919 na venda, o menor patamar para um encerramento desde 15 de agosto.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O dólar operava perto da estabilidade contra o real nesta terça-feira, em meio a expectativas em torno das reuniões de política monetária no Brasil e nos Estados Unidos, em dia de otimismo cauteloso sobre a guerra comercial iniciada por Washington contra Pequim.

Às 10:17, a moeda norte-americana avançava 0,01%, a R$ 3,9921 na venda
Às 10:17 desta terça-feira, a moeda norte-americana avançava 0,01%, a R$ 3,9921 na venda

Às 10:17, o dólar avançava 0,01%, a R$ 3,9921 na venda. Na véspera, a moeda norte-americana encerrou em queda de 0,44% na segunda-feira, a R$ 3,9919 na venda, o menor patamar para um encerramento desde 15 de agosto, ficando abaixo dos 4 reais pela primeira vez em mais de dois meses.

Na B3, o dólar futuro tinha queda de 0,05%, a R$ 3,9930.

As expectativas otimistas em torno das negociações comerciais entre EUA e China continuavam a dar o tom para os mercados nesta sessão, depois que presidente dos EUA, Donald Trump, disse na segunda que espera assinar uma parte significativa do acordo comercial com a China antes do previsto.

– Já tivemos várias idas e vindas quando se trata de EUA-China, mas agora as coisas parecem mais concretas e isso anima o mercado – afirmou Silvio Campos Neto, economista da Tendências Consultoria.

Paralelamente, as apostas de mais cortes de juros nos EUA nesta semana também ajudavam a valorização do real. Nesta terça, os juros futuros dos EUA indicavam que operadores veem 97,3% de chance de o Fed cortar os juros para um intervalo entre 1,50% e 1,75% em sua próxima reunião, de acordo com a ferramenta Fedwatch do CME Group.

Para Campos Neto, o viés geral para a moeda é de baixa, com possíveis ajustes ao longo da sessão após forte queda na segunda-feira.

– É natural que tenhamos possíveis ajustes após uma forte movimentação, mas não creio que a moeda deva se afastar dos níveis atuais – disse.

Na cena doméstica, o BC vendeu todos os 525 milhões em moeda spot ofertados, além de todos os 10.500 contratos de swap reverso (de oferta de 10.500 contratos).

Ibovespa recua

O Ibovespa mostrava tendência negativa no início da sessão desta terça-feira, após renovar máximas na véspera, com investidores atentos ao noticiário corporativo e ainda aguardando decisões sobre juros no Brasil e nos Estados Unidos, programadas para quarta-feira.

Às 10:13, o Ibovespa caía 0,33%, a 107.835,24 pontos.

Wall street

O índice acionário S&P 500 operava próximo ao seu nível recorde nesta terça-feira, amparado por balanços positivos das farmacêuticas Merck e Pfizer, enquanto um decepcionante lucro trimestral da Alphabet mantinha o Nasdaq em território negativo.

Às 12:00 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,2%, a 27.144 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 0,182601%, a 3.045 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuava 0,19%, a 8.310 pontos.

O índice de referência S&P 500 atingiu seu recorde histórico na segunda-feira, impulsionado pelas esperanças de um acordo comercial entre Estados Unidos e China e expectativas de um outro corte de juros pelo Federal Reserve.

Merck & Co subia 2,19%, depois que seu lucro trimestral superou as expectativas dos analistas, enquanto Pfizer ganhava 3%, após a empresa elevar sua previsão de ganhos para 2019.

Sete dos principais setores do S&P 500 operavam em alta, liderados pelo setor de saúde, que subia 0,66%.

As ações da Alphabet, no entanto, caíam 2,1%, uma vez que o lucro trimestral da líder de pesquisas na web ficou abaixo das estimativas, devido a custos mais altos. Suas ações provocavam uma queda de 0,81% no setor de serviços de comunicação.

Os resultados do terceiro trimestre das empresas do S&P 500 estão sendo melhores do que o esperado, com mais de 78% das 204 empresas que reportaram resultados superando as expectativas de lucro, segundo dados da Refinitiv.