Em meio à onda de críticas, oposição pede que Johnson renuncie

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 12 de janeiro de 2022 as 11:40, por: CdB

 

Questionado se renunciaria, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse que não anteciparia as conclusões de uma investigação independente sobre festas em sua residência durante os bloqueios por coronavírus.

Por Redação, com Sputnik – de Londres

Boris Johnson está enfrentando uma onda de raiva e críticas do público e dos políticos pelas alegações de que ele e sua equipe desrespeitaram as restrições da pandemia ao socializar quando era proibido.

Boris Johnson está enfrentando uma onda de raiva e críticas do público e dos políticos

Segundo à agência inglesa de notícias Reuters, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse nesta quarta-feira que entende a raiva que as pessoas que fizeram sacrifícios durante a pandemia de covid-19 sentiram por causa de relatos de uma festa no jardim de sua residência oficial em Downing Street.

Um convite para a reunião de “bebidas socialmente distanciada” foi enviado por e-mail para cerca de 100 pessoas por um assessor do primeiro-ministro. Na época, maio de 2020, as pessoas no Reino Unido eram proibidas por lei de se encontrarem com mais de uma pessoa fora de sua casa.

– Sei a raiva que sentem de mim e do governo que lidero quando pensam que em Downing Street as regras não estão sendo seguidas adequadamente pelas pessoas que as fazem – disse Johnson ao Parlamento.

Enquanto o primeiro-ministro alegou não se saber que se tratava de uma festa e sim de um evento de trabalho para agradecer aos funcionários pelo esforço durante a pandemia, alguns membros de seu Partido Conservador já falam em renúncia, caso não consiga conter o furor.

O líder do Partido Trabalhista de oposição, Keir Starmer, disse que a declaração de Johnson foi “o espetáculo patético de um homem que ficou sem estrada.”

– Sua defesa, que ele não percebeu que estava em uma festa, é tão ridícula que chega a ser ofensiva para o público britânico – disse Starmer. “Ele finalmente foi forçado a admitir o que todos sabiam, que quando todo o país estava fechado ele estava dando festas de bebedeira em Downing Street. Ele agora vai fazer a coisa decente e renunciar?”

Depois de emitir um pedido de “desculpas sinceras”, Johnson desviou-se das exigências da oposição por sua renúncia.

Investigação independente

Questionado se renunciaria, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse que não anteciparia as conclusões de uma investigação independente sobre festas em sua residência durante os bloqueios por coronavírus.

“Lamento muito que não tenhamos feito as coisas de maneira diferente naquela noite”, disse Johnson ao Parlamento.

Os conservadores escolheram Johnson como líder em 2019 por seu jeito otimista e toque popular, apesar das alegações em série de quebra de regras e desonestidade que o seguiram em suas carreiras gêmeas como jornalista e político. A escolha parecia justificada quando ele levou o partido a uma grande vitória eleitoral em dezembro daquele ano.

Mas o apoio dentro do partido está sendo corroído pelo descontentamento com as contínuas restrições da pandemia, que alguns conservadores veem como draconianas. Ele também está preocupado com seu julgamento após uma série de alegações de má conduta financeira e ética contra ele e seu governo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code