Emboscada deixa feridos e desaparecidos em Burkina Faso

Arquivado em: África, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 27 de abril de 2021 as 10:34, por: CdB

 

Uma fonte informou à agência russa de notícias Sputnik que várias pessoas, incluindo três jornalistas estrangeiros, foram feridas e desapareceram após serem capturadas em uma emboscada armada no leste de Burkina Faso, na África Ocidental.

Por Redação, com Sputnik – de Uagadugu

Uma fonte informou à agência russa de notícias Sputnik que várias pessoas, incluindo três jornalistas estrangeiros, foram feridas e desapareceram após serem capturadas em uma emboscada armada no leste de Burkina Faso, na África Ocidental.

Emboscada em Burkina Faso deixa 3 feridos e 4 desaparecidos, incluindo estrangeiros, segundo fonte

“Três pessoas ficaram feridas e quatro desapareceram, incluindo dois jornalistas espanhóis e (um) jornalista irlandês, depois de terem caído em uma emboscada no leste de Burkina Faso”, informa fonte.

Entre os indivíduos capturados há um soldado burquinense, acrescenta fonte.

Os criminosos

De acordo com à agência inglesa de notícias Reuters, os criminosos atacaram durante o dia em uma estrada que leva para a vasta reserva florestal de Pama. Os cidadãos estrangeiros desaparecidos trabalham em organizações de conservação.

Um funcionário do Ministério das Relações Exteriores da Espanha confirmou que dois dos seus cidadãos estão desaparecidos neste país africano.

– Estamos em estreito contato com as famílias e as mantemos informadas pontualmente sobre tudo o que está acontecendo e os esforços realizados para localizá-los – comentou funcionário espanhol, acrescentando que a Espanha também está em contato com as autoridades burquinenses para ajudar a localizar os desaparecidos.

Burkina Faso, assim como grande parte da região do Sahel na África Ocidental, enfrenta profunda crise de segurança à medida que grupos ligados à Al-Qaeda e ao Estado Islâmico (organizações terroristas proibidas na Rússia e em vários outros países) realizam ataques contra militares e civis apesar da ajuda das forças francesas e das Nações Unidas.