Encontrado fator que triplica risco de internação em UTI e morte por covid-19

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado quarta-feira, 14 de abril de 2021 as 14:08, por: CdB

Pesquisadores norte-americanos descobriram que o risco de morte pelo novo coronavírus é 2,5 vezes maior em caso de baixa atividade física praticada pelo paciente, e que não realizá-la aumentaria em até duas vezes a possibilidade de internação.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

Pesquisadores norte-americanos descobriram que o risco de morte pelo novo coronavírus é 2,5 vezes maior em caso de baixa atividade física praticada pelo paciente, e que não realizá-la aumentaria em até duas vezes a possibilidade de internação.

O risco de morte pelo novo coronavírus é 2,5 vezes maior em caso de baixa atividade física

Os cientistas do centro médico Kaiser Permanente, nos EUA, estudaram os dados de quase 50 mil pacientes infectados pela covid-19, sugerindo que atividade física regular forneceria forte proteção contra a hospitalização, admissão em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e morte decorrentes da doença.

Mesmo os exercícios de forma moderada praticados por pacientes reduzem as chances da forma grave da covid-19, quando comparados a pacientes que não eram ativos, segundo o estudo publicado na revista British Journal of Sports Medicine.

Avaliações de atividades físicas têm sido realizadas durante consultas no centro médico desde 2009. Para obtenção dos dados, os pacientes são questionados sobre quantos dias por semana praticam exercícios físicos de moderados a intensos e, em média, quantos minutos eles se exercitam nesses níveis.

No total, 6,4% foram considerados consistentemente ativos e 14,4% consistentemente inativos, o restante dos pacientes pertenciam à categoria de inconsistentemente ativos.

Entre todos os pacientes com covid-19 estudados, 8,6% foram hospitalizados, 2,4% foram internados em UTI e 1,6% morreram. Os resultados da pesquisa mostram que a falta de atividade física aumenta a possibilidade da forma grave do coronavírus.

Serem consistentemente inativos mais que dobrou as chances de hospitalização de pacientes quando comparados aos que realizam exercícios físicos regulares. Os que estavam consistentemente inativos tiveram 1,73 vezes mais chances de serem internados em UTI do que os consistentemente ativos.

A probabilidade de morte foi 2,49 vezes maior para pacientes consistentemente inativos, em relação aos que tinham atividade física regular.

Qualquer atividade física traz benefício

Mesmo os pacientes inconsistentemente ativos apresentaram expectativas menores de desenvolverem a forma grave da covid-19 quando comparados aos que estavam consistentemente inativos. Então, o estudo sugere que qualquer atividade física traz benefício.

– Mesmo após ter incluído variáveis como obesidade e tabagismo na análise, ainda vimos que a inatividade esteve fortemente associada a maiores chances de hospitalização, internação em UTI e morte em comparação à prática de atividade física moderada ou qualquer exercício – disse a coautora do estudo, dra. Deborah Rohm Young.

Cientistas aconselham caminhar 30 minutos por dia, cinco dias por semana, em um ritmo moderado, para ter atividade diária e desenvolver maior proteção contra a covid-19 grave.

Vacinas

O imunologista-chefe dos EUA revelou que há semelhanças no surgimento de coágulos sanguíneos e baixo nível de plaquetas após vacinação com imunizantes da AstraZeneca e da Johnson & Johnson.

O imunologista-chefe dos Estados Unidos, Anthony Fauci, afirmou que há semelhanças em casos de coágulos sanguíneos após vacinações com imunizantes da AstraZeneca e da Johnson & Johnson, em entrevista à emissora NBC.

– Há algumas semelhanças fortíssimas sobre isso no que diz respeito ao tempo após vacinação, particularmente, a importância da síndrome clínica destes coágulos, juntamente com baixo nível de plaquetas, então há muitas semelhanças que não se pode deixar passar – disse Fauci.

Na terça-feira, a Administração de Alimentos e Medicamentos e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA recomendaram parar o uso da vacina contra o novo coronavírus da Johnson & Johnson “por uma abundante precaução”.

A empresa norte-americana de farmacêuticos, utensílios médicos e produtos pessoais de higiene Johnson & Johnson emitiu um comunicado de imprensa, informando sobre decisão de adiar o uso de sua vacina contra a covid-19 na Europa. A empresa revelou estar a par de alguns casos de detecção de coágulos sanguíneos após vacinação.