Energia: maioria das indústrias quer optar por mercado livre

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 3 de fevereiro de 2023 as 15:49, por: CdB

A CNI estima que se as indústrias migrarem para o mercado livre poderão ter uma economia, em média, de 15% a 20% na conta de luz. Um portaria publicada pelo Ministério de Minas e Energia em 2022 estabelece que as empresas de enquadramento tarifário de alta tensão poderão migrar para o mercado livre a partir de 1º de janeiro de 2024.

Por Redação, com ABr – de Brasília

Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta sexta-feira, revela que 56% das indústrias atualmente no mercado cativo têm interesse em migrar para o mercado livre de energia, já a partir de 2024. O objetivo será economizar nos gastos com eletricidade.

energia
As indústrias podem optar por energia limpa, em lugar das fontes poluentes

Cerca de 10,5 mil empresas industriais, atualmente, operam nesse modelo, no qual o consumidor negocia direta e livremente com as empresas geradoras ou comercializadoras de energia.

A CNI estima que se as indústrias migrarem para o mercado livre poderão ter uma economia, em média, de 15% a 20% na conta de luz. Um portaria publicada pelo Ministério de Minas e Energia em 2022 estabelece que as empresas de enquadramento tarifário de alta tensão poderão migrar para o mercado livre a partir de 1º de janeiro de 2024.

Geração

O mercado cativo é aquele tradicional, em que a energia é comprada junto às concessionárias, como as distribuidoras de energia elétrica. No Distrito Federal, por exemplo, os brasilienses são clientes da Neoenergia – empresa privatizada em 2020.

De acordo com a Sondagem Especial Indústria e Energia, 59% das grandes empresas obtêm fornecimento do mercado livre, sendo 52% exclusivamente desse mercado. Entre as indústrias de médio porte, 57% estão no cativo e somente 25% no livre; já entre as pequenas empresas, 70% obtêm energia do mercado cativo e apenas 6% estão totalmente no mercado livre.

A saída do cativo para a geração livre, no entanto, não ocorre automaticamente. A CNI ainda explicou que essa mudança por parte das indústrias, deverá ser feita com algum preparo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *