Entre a dispersão e o impasse, cenário eleitoral ainda indefinido

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 10 de maio de 2018 as 09:51, por: CdB

A cerca de cinco meses das eleições gerais, são evidentes as tensões nas hostes governistas e na grande mídia em razão da inexistência, até o momento, de uma candidatura presidencial da confiança do mercado e capaz de unir grupos golpistas momentaneamente fragmentados

Por Luciano Siqueira – de Brasília:

Mas o impasse não se restringe à busca de um nome competitivo.

O buraco é mais embaixo: está na dificuldade de sensibilizar o eleitorado com o discurso ultra liberal.

Entre a dispersão e o impasse, cenário eleitoral ainda indefinido

Caso de Geraldo Alckmin, que se diz interessado em duplicar a renda média dos trabalhadores; mas ensaia um programa; conforme entrevista do seu coordenador econômico Pérsio Arida à Folha de S. Paulo; radicalmente liberal, um passo adiante na agenda regressiva de Temer.

Um programa politicamente derrotado quatro vezes consecutivas, por Lula e Dilma.

Uma alternativa seria camuflá-lo através de um candidato outsider, sob o manto do combate à corrupção; sem o carimbo negativo de gente como Meirelles, Temer e o próprio Alckmin.

Tentaram o apresentador de TV Luciano Huck, que não prosperou.

Joaquim Barbosa

Agora, fazem alarde da desistência do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, filiado ao PSB; que há tempos a grande mídia insuflava e, quem sabe, pela sua abstinência em ideias sobre os problemas do país, pudesse vir a ser pautado pelo mercado.

Joaquim Barbosa renunciou ao que nunca foi, mas assim mesmo virou “importante fato novo” na cena pré-eleitoral.

O fato é que essas dificuldades, associadas à estratosférica rejeição popular a Temer e a seu governo; pesam na correlação de forças que se desenha.

Oposição

Abrem brechas por onde a oposição pode ganhar terreno; tanto na conquista de parcelas expressivas do eleitorado como na subtração de grupos ainda alinhados com o governo.

Para tanto, será necessário disputar o pleito unida já no primeiro turno; o que por enquanto não parece fácil.

Manuela D’Ávila, pré-candidata pelo PCdoB, ainda é voz quase isolada na defesa da unidade; tese que não encontra respaldo suficiente no PT, no PDT e no Psol, agremiações que sustentam também candidaturas próprias.

Manuela defende com enorme competência e crescente ressonância as proposições do PCdoB; englobadas num novo projeto nacional de desenvolvimento soberano, democrático e inclusivo; e, ao mesmo tempo, propugna a unidade.

Para o PT, união vale apenas em torno de Lula (se for candidato); ou de um eventual substituto; o PDT não abre mão de Ciro e o Psol admite a unidade tão somente na defesa da democracia, jamais em torno de uma candidatura presidencial comum.

Entretanto, muitas vezes a vida atropela as vontades subjetivas e termina por impor soluções fora do esquadro.

É o que ainda pode acontecer nos dois campos opostos até o final de julho.

Luciano Siqueira, é médico, vice-prefeito do Recife, membro do Comitê Central do PCdoB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *