Equador: confronto entre facções deixa 116 mortos em penitenciária

Arquivado em: América Latina, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 30 de setembro de 2021 as 10:39, por: CdB

Grupos rivais se enfrentam com armas de fogo, facas e explosivos dentro de prisão em Guayaquil. Governo declara estado de exceção em todo sistema penitenciário. Ao menos cinco pessoas foram decapitadas, disseram autoridades.

Por Redação, com DW – do Quito

Um confronto entre facções rivais numa penitenciária em Guayaquil, no Equador, deixou ao menos 116 mortos e cerca de 80 feridos, afirmou o governo do país na quarta-feira.

Policiais diante da Penitenciária do Litoral, em Guayaquil, depois de o confronto ser contido

Ao menos cinco pessoas foram decapitadas, disseram autoridades. O confronto aconteceu nesta terça-feira, entre prisioneiros armados de grupos rivais, conhecidos como Los Lobos e Los Choneros, ligados ao tráfico internacional de drogas, que disputavam o comando do presídio Número 1, também conhecido como Penitenciária do Litoral.

Além de armas de fogo, foram usadas facas e explosivos. A televisão local mostrou imagens de detentos disparando com armas de fogo a partir das janelas da penitenciária, além de explosões.

A polícia comunicou que retomou o controle sobre a penitenciária depois de cinco horas, numa operação conjunta com militares.

Estado de exceção

O presidente equatoriano, Guillermo Lasso, declarou estado de exceção em todo o sistema penitenciário do Equador por um período de 60 dias.

Ele qualificou de “lamentável” e “triste” o resultado do motim de facções rivais de detentos na unidade prisional e disse que nenhum agente penitenciário está entre as vítimas.

– É lamentável que prisões tenham se tornado território de disputas de poder entre gangues de criminosos – declarou.

Lasso também disse que foi iniciado um processo de coordenação entre diferentes instituições estatais, com o objetivo de recuperar o controle da Penitenciária do Litoral e evitar a repetição desses eventos em qualquer outro centro penitenciário do Equador.

Centro para o tráfico de drogas

A Comissão Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH) condenou os atos de violência na prisão de Guayaquil e apelou ao governo do país para que investigue o que aconteceu.

A CIDH advertiu que este ano mais de 200 pessoas já morreram em consequência da violência nas prisões do Equador e exortou o Estado equatoriano a investigar os fatos.

Guayaquil é um centro de distribuição de cocaína produzida na América do Sul para os Estados Unidos. No início do mês, a penitenciária Número 4 foi atacada com drones em meio a uma guerra entre cartéis internacionais de drogas. Não houve vítimas.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code