Equador pede investigação sobre manejo de corpos 

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 9 de abril de 2020 as 13:57, por: CdB

O presidente do Equador, Lenín Moreno, pediu uma investigação sobre como as autoridades lidaram com os corpos de vítimas do coronavírus em Guayaquil, o epicentro do surto no país.

Por Redação, com Reuters – do Quito

O presidente do Equador, Lenín Moreno, pediu na quarta-feira uma investigação sobre como as autoridades lidaram com os corpos de vítimas do coronavírus em Guayaquil, o epicentro do surto no país, que está sobrecarregando os sistemas de saúde e sanitário.

Cemitério Angela Maria Canalis, onde estão construindo mais túmulos em Guayaquil, Equador
Cemitério Angela Maria Canalis, onde estão construindo mais túmulos em Guayaquil, Equador

Familiares se queixaram nas redes sociais que os hospitais públicos têm sido incapazes de localizar rapidamente os corpos de seus entes queridos e que em alguns casos os identificaram equivocadamente.

– Não permitiremos que ninguém seja enterrado sem ser identificado. Eles merecem um adeus com dignidade! – escreveu Moreno no Twitter.

Irregularidades

O tuíte incluiu uma cópia de uma queixa formal contra supostas irregularidades apresentada por Jorge Wated, a autoridade estatal encarregada do manejo dos corpos durante a crise.

A velocidade do surto em Guayaquil deixou corpos esperando nas casas, e em alguns casos até nas ruas, forçando as autoridades a armazenar cadáveres em contêineres refrigerados e mais tarde a abrir um cemitério para começar a enterrar os mortos, disseram moradores.

Até quarta-feira, o Equador tinha cerca de 4.450 casos da doença, 242 mortes confirmadas e outras 240 que se suspeita terem sido causadas pelo vírus.

Casos e mortes

Desses, 3.047 casos e 144 mortes ocorreram na província de Guayas, onde Guayaquil está localizado.

Na terça-feira, o ministro da Saúde do Equador, Juan Carlos Zevallos, disse que demitiu um funcionário que pediu dinheiro para cuidar dos restos mortais de uma vítima de um hospital público de Guayaquil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *