Erdogan ameaça invadir região da Síria se Estados Unidos não retirarem milícias curdas

Arquivado em: América do Norte, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 as 10:48, por: CdB

Manbij, uma cidade de cerca de 100 mil habitantes situadas 80 quilômetros ao nordeste de Aleppo e que faz fronteira ao oeste com o rio Eufrates, se encontra desde meados de 2016 sob o controle das Unidades de Proteção do Povo (YPG) que a arrebataram dos terroristas do EI.

Por Redação, com EFE – de Istambul

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou nesta sexta-feira intervir na região de Manbij, no norte da Síria, se os Estados Unidos não retirarem totalmente da área as milícias curdo-sírias YPG, aliadas de Washington na luta contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan

– Agora lhes dizemos (aos EUA) que limpem o terreno (das YPG). Se não fizerem isso, entraremos em Manbij. Deixei bem claro – declarou Erdogan em discurso transmitido pela emissora “CNNTürk”.

Manbij, uma cidade de cerca de 100.000 habitantes situadas 80 quilômetros ao nordeste de Aleppo e que faz fronteira ao oeste com o rio Eufrates, se encontra desde meados de 2016 sob o controle das Unidades de Proteção do Povo (YPG) que a arrebataram dos terroristas do EI.

Ancara exigiu a Washington, até agora sem sucesso, que force a retirada das YPG, por considerá-las um grupo terrorista vinculado à guerrilha curda que opera na Turquia, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Ambos países chegaram a um acordo e, desde o início de novembro realizam patrulhas conjuntas em Manbij, embora o governo turco siga pedindo a completa retirada das YPG.

– A Turquia já perdeu tempo ao intervir no pântano do terror ao leste do Eufrates. Já não toleramos um só dia de atraso – acrescentou Erdogan.

A ameaça sobre Manbij se une ao recente anúncio do presidente turco, há dois dias, de iniciar em breve uma operação militar para expulsar as YPG ao leste do Eufrates.

O exército turco já dominou no início deste ano com milícias aliadas árabes o cantão curdo de Afrin, fronteiriço com a Turquia no noroeste da Síria e até então um bastião das YPG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *