Erdogan anuncia que Turquia prepara ofensiva no Iraque

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 14 de março de 2018 as 14:07, por: CdB

Erdogan se referiu também à atual ofensiva militar turca no enclave sírio de Afrin, lançada em 20 de janeiro contra as milícias curdo-sírias Unidades de Proteção Popular

Por Redação, com EFE – de  Ancara:

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou nesta quarta-feira que a Turquia prepara uma ofensiva no norte do Iraque contra o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), informou a agência “Anadolu”.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan

– Em algumas ocasiões atacamos os terroristas no norte do Iraque; mas logo os destroçaremos com mais força – declarou o governante em um discurso em Ancara; fazendo referência assim aos frequentes bombardeios das forças aéreas turcas no norte iraquiano contra supostos objetivos do PKK.

Erdogan se referiu também à atual ofensiva militar turca no enclave sírio de Afrin; lançada em 20 de janeiro contra as milícias curdo-sírias Unidades de Proteção Popular (YPG); que considera terroristas por vê-las vinculadas ao PKK.

– Limparemos Afrin de terroristas. Limparemos Manbech de terroristas. Limparemos (o terreno) ao longo da nossa fronteira ao leste do Eufrates e a nossa fronteira com o Iraque –  afirmou o chefe de Estado.

O ministro de Relações Exteriores turco, Mevlüt Çavusoglu, tinha antecipado na semana passada; que seu país preparava uma ofensiva no norte do Iraque contra o PKK.

– No Iraque haverá uma operação entre fronteiras (turca) contra o PKK. Faremos junto com o Governo iraquiano – afirmou então o chefe da diplomacia turca.

– Inclusive se a operação de Afrin não terminar (até lá); temos a capacidade de realizar ambas operações ao mesmo tempo – acrescentou.

O Governo turco ameaçou em mais de uma ocasião aumentar a operação em curso à região síria de Manbech; e inclusive ao Iraque para expulsar as milícias curdas de zonas próximas à sua fronteira.

Síria

Dezenas de civis, entre eles alguns feridos, foram retirados do principal reduto opositor dos arredores de Damasco (Síria), em Ghouta Oriental; alvo de uma ofensiva do exército sírio e seus aliados; informaram a televisão oficial e ativistas.

A televisão síria afirmou que dezenas de civis saíram em duas rodadas a bordo de ônibus, através do corredor humanitário do campo de refugiados palestinos de Wafidin, na periferia de Damasco; e mais pessoas podem deixar a região.

As forças armadas sírias estão encarregadas de garantir a segurança dessas pessoas, na sua maioria mulheres; menores e idosos, que serão transferidas ao centro de atendimento em Al Dueir.

O Crescente Vermelho sírio destacou que suas equipes estão realizando seu “dever humanitário”; prestando serviços às famílias que estão saindo de Ghouta Oriental.

A televisão síria não mencionou se está ocorrendo alguma retirada de doentes ou feridos; embora o Observatório Sírio de Direitos Humanos tenha dito que eles começaram a deixar Ghouta Oriental.

Essa organização especificou que a evacuação médica ocorre em áreas sob o controle da facção islâmica; o Exército do Islã, um dos principais da região.

A fonte acrescentou que a evacuação coincide com o bombardeio de áreas ocupadas por outro dos mais importantes grupos islâmicos em Ghouta Oriental, a Legião da Misericórdia.

Acordo para retirar feridos de região sitiada

Ontem, o Exército do Islã revelou em comunicado que tinha chegado a um acordo com a Rússia, aliada do governo sírio, para retirar os feridos da região sitiada.

O responsável pelo chefe do Centro Russo de Reconciliação entre as Partes na Síria, general Yuri Yevtushenko, afirmou que 100 civis abandonaram hoje Ghouta Oriental em dois grupos pelo corredor humanitário, graças a um pacto entre o Exército russo e os combatentes opositores.

Ghouta Oriental é alvo de uma ofensiva terrestre do exército sírio desde o dia 25 de fevereiro, precedida por intensos bombardeios de aviões sírios e russos.