Erdogan diz que Turquia continua buscando adesão à União Europeia

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 26 de março de 2018 as 10:43, por: CdB

Antes de reunião com líderes europeus, presidente turco afirma que seu país superou obstáculos para entrar no bloco. Em meio a críticas internacionais, Erdogan pede apoio incondicional da Europa a ofesiva contra curdos

Por Redação, com DW – de Ancara:

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que a adesão à União Europeia (UE) continua a ser uma meta estratégica de Ancara.

Erdogan disse que “não permitirá que certos círculos tentem impedir a adesão da Turquia à UE”

Em declaração feita antes de embarcar rumo à Bulgária; onde participa de um encontro de cúpula entre UE e Turquia, Erdogan ressaltou; que deseja que continuem as conversações de adesão com o bloco europeu. Ele disse que afirmará na reunião que os obstáculos para que a UE aceite a Turquia como membro foram superados.

Erdogan tem agendado, na noite desta segunda-feira; um encontro na cidade búlgara de Varna com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker; e o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

O presidente turco será acompanhado pelo ministro turco do Exterior, Mevlüt Cavusoglu; pelo ministro para Relações com a União Europeia, Ömer Celik, e por outros membros do gabinete. As negociações devem ser difíceis, considerando o grande número de discordâncias entre as partes.

UE acusou a Turquia

Antes da reunião em Varna, a UE acusou a Turquia de “contínuas ações ilegais” no Mediterrâneo. A Marinha turca havia evitado em fevereiro que um navio-sonda italiano participasse da perfuração de poços de gás ao largo de Chipre. Além disso, um barco de patrulha turco atacou um barco da guarda costeira grega perto; de um grupo de ilhas no Mar Egeu cuja situação territorial é motivo de disputa entre Atenas e Ancara.

Outro ponto que preocupa Bruxelas é a contínua perseguição a críticos do governo turco e a restrição dos direitos civis sob o estado de emergência imposto após a tentativa de golpe de Estado de julho de 2016.

Após a chanceler federal alemã, Angela Merkel, o chanceler federal austríaco, Sebastian Kurz, também criticou nesta segunda-feira a ofensiva militar turca contra as milícias curdas Unidades de Proteção Popular (YPG) na região síria de Afrin. O presidente turco, por sua vez, pede o “apoio incondicional” da UE à Turquia em sua “luta contra o terrorismo” na Síria.

Antes de partir para Varna, Erdogan disse ainda que “não permitirá que certos círculos tentem impedir a adesão da Turquia à UE como um membro respeitado, equivalente e integral”. Erdogan havia conseguido em 2005 a abertura oficial das negociações de adesão; mas há tempos o processo está emperrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *