Erupção solar provoca apagões em alguns pontos da Terra

Arquivado em: África, América do Norte, América Latina, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias, Universo
Publicado quarta-feira, 11 de maio de 2022 as 11:00, por: CdB

O impacto do fenômeno, registrado pela NASA, atingiu as zonas expostas que cobrem grande parte do oceano Atlântico, bem como regiões da América do Norte e Sul, além da África Ocidental e Europa.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

Uma forte erupção solar de classe X1.5 foi registrada na terça-feira. O fenômeno provocou um apagão em algumas redes de comunicação na Terra.

O impacto do fenômeno, registrado pela NASA, atingiu as zonas expostas que cobrem grande parte do oceano Atlântico

Conforme dados do Centro de Prevenção do Clima Espacial, a erupção ocorreu no hemisfério Sul do Sol, em uma região ativa chamada AR3006.

O impacto do fenômeno, registrado pela NASA, atingiu as zonas expostas que cobrem grande parte do oceano Atlântico, bem como regiões da América do Norte e Sul, além da África Ocidental e Europa.

Na região do Atlântico, foi registrado um apagão de rádio, afetando as emissões nas frequências inferiores a 30 MHz.

O campo magnético do núcleo primário do AR3006 é considerado “interessante e perigoso” por ser diferente do resto do seu território.

Foram registradas diversas ejeções de massa coronal, ondas de radiação e vento solar, fenômenos que podem afetar as redes de comunicação na Terra.

Via Láctea

A imagem de uma galáxia próxima à Via Láctea, divulgada pela NASA, é a mais nítida já vista pelo olho humano.

NASA divulga pela primeira vez imagem nítida de galáxia próxima à Via Láctea

A imagem foi registrada pelo telescópio James Webb, e mostra parte da galáxia Grande Nuvem de Magalhães com nível de detalhes impressionante.

Tanto que é possível observar a emissão dos “hidrocarbonetos policíclicos aromáticos”, ou moléculas de carbono e hidrogênio que têm papel importante no equilíbrio térmico e na química do gás interestelar.

“O Webb, com seu espelho primário significativamente maior e seus detectores melhorados, nos permitirá ver o céu infravermelho com maior clareza, permitindo realizar novas descobertas”, informou a NASA.

O telescópio espacial James Webb foi lançado no dia 25 de dezembro de 2021 para possibilitar a observação de todos os cantos do Universo, incluindo os remotos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *