Espanha criará registro de quem se recusa a se vacinar

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 29 de dezembro de 2020 as 10:24, por: CdB

A Espanha criará uma lista de cidadãos que se negam a ser vacinados contra a covid-19. A base de dados será compartilhada com outros países da União Europeia, mas não será divulgada para empresas ou ao público, informou o ministro da Saúde espanhol, Salvador Illa.

Por Redação, com DW – de Madri

A Espanha criará uma lista de cidadãos que se negam a ser vacinados contra a covid-19. A base de dados será compartilhada com outros países da União Europeia, mas não será divulgada para empresas ou ao público, informou na segunda-feira o ministro da Saúde espanhol, Salvador Illa.

Proporção de espanhóis que não pretende tomar a vacina caiu de 47% para 28% em um mês
Proporção de espanhóis que não pretende tomar a vacina caiu de 47% para 28% em um mês

Durante entrevista à emissora La Sexta, Illa reiterou que a vacinação contra o vírus, iniciada no domingo na Espanha, não é obrigatória.

– O que será feito é um registro, que será compartilhado com nossos parceiros europeus (…) das pessoas às quais a vacina foi oferecida e elas simplesmente a rejeitaram – disse.

– Não é um documento que será divulgado ao público, e será feito com o maior respeito à proteção de dados – ele adicionou, ressaltando que empregadores ou cidadãos em geral não terão acesso à lista.

A Espanha é um dos países europeus mais atingidos pela pandemia. O número de mortos pela covid-19 superou a marca de 50 mil na segunda-feira, e a cifra de infectados se aproxima de 1,9 milhão.

Nas próximas 12 semanas, a Espanha deve receber cerca de 4,6 milhões de doses de vacina, que permitem imunizar 2,3 milhões de pessoas. Até o meio de 2021, o governo espera ter vacinado de 15 a 20 milhões de pessoas de uma população total de 47 milhões. “A maneira de derrotar o vírus é vacinar todos nós, ou quanto mais, melhor”, disse Illa.

Pesquisa

A proporção de espanhóis que não pretende tomar a vacina contra a covid-19 caiu para 28% em dezembro, contra 47% no mês anterior.

O levantamento, feito pelo instituto público de pesquisa CIS, apontou que 40,5% dos entrevistados estão decididos a tomar o imunizante e e que 16,2% farão isso se a vacina se mostrar “confiável”.

llla destacou que, sem o trabalho conjunto da União Europeia, o início rápido da vacinação teria sido impossível, e se mostrou confiante de que, no próximo verão do hemisfério norte, parte significativa da população já estará imunizada. “Isso permitirá fazermos muitas coisas que agora não podem ser feitas”, afirmou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code