Espanha luta para distribuir vacina após nevasca

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 11 de janeiro de 2021 as 10:11, por: CdB

Depois da maior tempestade de neve em décadas, governo tenta garantir abastecimento de imunizante contra covid-19 e alimentos. País se prepara para semana de frio extremo, com temperaturas de até -10 ºC.

Por Redação, com DW – de Madri
Após a passagem da tempestade Filomena, que deixou ao menos quatro mortos e levou ao fechamento de escolas e serviços públicos, o governo espanhol anunciou o envio nesta segunda-feira de comboios que devem levar vacinas contra a covid-19 e alimentos para regiões isoladas. O fenômeno gerou a pior nevasca em décadas na região central do país, que se prepara para frio extremo nos próximos dias.

Trabalhadores removem neve que se acumula nas principais vias de acesso a hospitais e edifícios em Madri
Trabalhadores removem neve que se acumula nas principais vias de acesso a hospitais e edifícios em Madri

Os serviços de meteorologia alertam para condições de tempo perigosas nos próximos dias, com temperaturas de até -10 ºC nesta semana. A neve poderá se transformar em gelo e árvores mais vulneráveis podem cair.
O ministro dos Transportes, José Luis Abalos, disse que o objetivo das autoridades é garantir o abastecimento de alimentos, vacinas e materiais de saúde. “Corredores foram abertos para a entrega desses itens”, assegurou.
Segundo o governo, em torno de 700 estradas em todo o território espanhol foram afetadas pelo mau tempo, com o tráfego suspenso ou com complicações.
A neve também deixou centenas de viajantes presos no aeroporto de Barajas, em Madri. O local teve de ser fechado no sábado e foi reaberto gradualmente no domingo, enquanto o Exército espanhol trabalhava para limpar as pistas de pouso e decolagem.
Na capital, militares e voluntários trabalhavam também para desobstruir vias de acesso a hospitais, que enfrentam forte pressão em razão da epidemia de covid-19.
Em toda a cidade, os cidadãos se mobilizaram para remover a neve da entrada de edifícios. Longas filas se formavam em frente a supermercados e padarias.

“O perigo ainda não passou”

– O perigo ainda não passou – afirmou no domingo o ministro espanhol do Interior, Fernando Grande-Marlaska, que advertiu para o início de uma semana de frio intenso no pais, com “temperaturas mínimas nunca alcançadas”. Ele pediu à população que evite ao máximo os deslocamentos.
O mau tempo e o frio também deixaram vítimas. Um casal que estava em um carro morreu depois do trasbordamento de um rio em Málaga, enquanto dois moradores de rua perderam suas vidas em Madri e Calatayud, no leste do país.
A maior nevasca dos últimos 50 anos encobriu completamente a capital na sexta-feira e no sábado, além de uma grande parte do país, onde diversas escolas e serviços públicos devem permanecer fechados ainda no início da semana.