Espanha e Suécia detectam nova cepa da covid-19

Arquivado em: América Latina, Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 26 de dezembro de 2020 as 12:36, por: CdB

Casos envolvem pessoas que chegaram do Reino Unido, onde mutação foi descoberta. Japão suspende entrada de estrangeiros após encontrar no país variante do vírus, considerada mais transmissível.

Por Redação, com DW – de Madri/Estocolmo

Espanha e Suécia informaram neste sábado terem detectado seus primeiros casos de infecção por uma variante do coronavírus considerada particularmente infecciosa e identificada pela primeira vez no Reino Unido.

Pessoas passeiam em parque de Madri
Pessoas passeiam em parque de Madri

França e Itália também já haviam confirmado casos da nova variante, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que nove casos foram detectados na Dinamarca e um na Holanda e na Austrália.

O primeiro caso na França foi o de um francês que reside na Inglaterra, que está assintomático e que foi colocado em isolamento após ter testado positivo para a nova linhagem do coronavírus.

Autoridades da região de Madri afirmaram que quatro casos foram detectados envolvendo pessoas que chegaram recentemente do Reino Unido ou tiveram contato próximo com essas pessoas. O pai, a mãe e a irmã de um jovem que chegou a Madrid de avião na semana passada testaram positivo para a variante do coronavírus.

Suspeita-se que o jovem também esteja com a nova variante, mas as autoridades espanholas aguardam os resultados de um teste para ter a confirmação da infecção. O quarto caso confirmado da nova cepa envolve um homem que chegou a Madrid em 20 de dezembro em outro voo.

– Os pacientes não estão gravemente doentes, sabemos que esta cepa é mais transmissível, mas não causa doenças mais graves – disse o vice-chefe de saúde regional de Madrid, Antonio Zapatero, em entrevista coletiva. “Não há necessidade de alarme”, ressaltou, informando ainda haver outros três casos suspeitos da variante do coronavírus, mas os resultados dos testes só estarão disponíveis na terça ou quarta-feira.

Na Suécia, a nova variante foi detectada após um viajante ficar doente ao chegar do Reino Unido e testar positivo para o vírus. A pessoa, cuja identidade não foi divulgada, está em isolamento.

A nova cepa do vírus levou mais de 50 países, incluindo a Espanha, a impor restrições de viagem ao Reino Unido. Madri proibiu todas as entradas do Reino Unido, exceto para cidadãos espanhóis e residentes.

A Alemanha restringiu o tráfego aéreo a partir do Reino Unido. Muitos outros países do mundo também impuseram restrições similares, incluindo o Brasil.

Japão suspende entrada de estrangeiros

Neste sábado, as autoridades do Japão decidiam suspender temporariamente a entrada de estrangeiros no país, após confirmação um total de sete casos de uma nova variante do coronavírus. A suspensão começará a vigorar na segunda-feira e vai até o final de janeiro.

Mais duas pessoas foram confirmadas neste sábado como infectadas com a nova variante do coronavírus, enquanto o país registrou um recorde nacional de mais de 3.870 novos casos, marcando o maior aumento diário de contágios pelo quarto dia consecutivo.

O Ministério da Saúde japonês relatou na sexta-feira os primeiros casos no país de contaminados pela nova variante. Cinco pessoas foram colocadas em quarentena depois que suas infecções foram confirmadas após a chegada delas do Reino Unido entre 18 de dezembro e 21 de dezembro.

Autoridades da Alemanha confirmaram nesta quinta-feira terem detectado no país a nova variante do coronavírus. A pessoa infectada, uma mulher, partira do aeroporto de Heathrow, em Londres, no último domingo, para visitar familiares na Alemanha. Ela testou positivo ao desembarcar no aeroporto de Frankfurt. Uma análise genética mais aprofundada realizada mais tarde por um laboratório em Berlim revelou que se trata da B.1.1.7, como foi batizada a nova cepa identificada no Reino Unido.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que a nova cepa viral “pode ​​ser até 70% mais transmissível do que a versão original da doença”.