Especialistas de Haia analisarão agente nervoso no Reino Unido

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 18 de março de 2018 as 12:04, por: CdB

Em comunicado, a pasta confirmou que “a equipe de investigadores independentes começará a analisar o agente nervoso utilizado na tentativa de assassinato de Sergei Skripal e a sua filha em Salisbury no dia 4 de março”

Por Redação, com EFE – de Londres:

Especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas irão nesta segunda-feira ao Reino Unido para analisar o agente nervoso utilizado no envenenamento do ex-espião Sergei Skripal e de sua filha Yulia em Salisbury (Inglaterra), informou o Ministério de Relações Exteriores britânico.

Especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas irão nesta segunda-feira ao Reino Unido para analisar o agente nervoso

Em comunicado, a pasta confirmou que “a equipe de investigadores independentes começará a analisar o agente nervoso; utilizado na tentativa de assassinato de Sergei Skripal e a sua filha em Salisbury no dia 4 de março”.

– A equipe de Haia se reunirá com funcionários do Laboratório Tecnológico de Ciência e Defesa e a polícia (britânica); para debater o processo de coleta de amostras – explicou a nota.

O ministério detalhou que as amostras colhidas serão levadas a “laboratórios internacionais com elevada reputação; selecionados pela Organização para a Proibição de Armas Químicas, para serem submetidas a provas”. Acrescentou que os resultados devem começar a ser obtidos “em um mínimo de duas semanas”.

– Trata-se do próximo passo no processo para verificar de maneira independente as análises realizadas pelo Laboratório de Porton Down – situado a 12 quilômetros de Salisbury.

May

O comunicado diz ainda que a primeira-ministra britânica, Theresa May; escreveu na semana passada ao órgão regulador para “convidá-lo formalmente a verificar a análise feita pelo governo” sobre o agente nervoso.

– Isso reflete o compromisso britânico de cumprir totalmente as obrigações estabelecidas; pela Convenção sobre as Armas Químicas – acrescentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *