Estados Unidos testam F-16 com inteligência artificial

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 23 de março de 2021 as 14:19, por: CdB

A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA, na sigla em inglês) dos EUA testou o programa de Evolução de Combate Aéreo em uma simulação envolvendo a equipe de caças e aeronaves controlados por inteligência artificial.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA, na sigla em inglês) dos EUA testou o programa de Evolução de Combate Aéreo em uma simulação envolvendo a equipe de caças e aeronaves controlados por inteligência artificial.

EUA testam F-16 com inteligência artificial em combate homem-máquina

A simulação testou os algoritmos da simulação artificial em um combate dois contra um, envolvendo caças F-16, segundo o portal Flight Global.

– Estes combates representam um passo importante na construção da confiabilidade nos algoritmos desde que eles nos permitam avaliar como os agentes [inteligência artificial] lidam com as restrições de disparo configuradas para prevenir o fratricídio – afirmou o coronel Dan Javorsek, gerente de programa do Escritório de Tecnologia Estratégica da DARPA.

O coronel também ressaltou a importância da operação com armas ofensivas em um combate dinâmico e confuso, que envolva um caça tripulado, oferecendo a oportunidade de elevar a complexidade e o agrupamento associado com as manobras de duas aeronaves em relação a um inimigo.

A DARPA segue trabalhando para demonstrar que a inteligência artificial pode ser confiável em um campo de batalha.

Simulações

Com isso, a agência norte-americana planeja a transição dos algoritmos de inteligência artificial de seus caças a partir das simulações para demonstração das aeronaves ainda em 2021.

O programa norte-americano busca uma tecnologia de Inteligência artificial que seja capaz de colaborar com humanos, e um duelo como o realizado desafia os designers a produzirem algo que funcione sozinho em combate, além de ser o “início” da complexa colaboração homem-máquina.