Estaleiro russo desmantelará oito submarinos nucleares

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 12 de maio de 2003 as 15:11, por: CdB

O estaleiro “Nerpa”, na região de Múrmansk (noroeste da Rússia) desmantelará este ano pelo menos oito dos quase 100 submarinos nucleares russos fora de serviço, anunciou nesta segunda-feira, Alexandr Gorbunov, diretor da empresa proprietária do local.

Segundo Gorbunov, os especialistas do “Nerpa” começarão nos próximos dias os trabalhos prévios à inutilização de dois submarinos de uso múltiplo da classe “Schuka” (Víctor-3, segundo a classificação da Otan).

A inutilização de um dos submarinos será paga pela Noruega e o processo do segundo será financiado pelo Ministério russo da Defesa, informou Gorbunov, citado pela agência Interfax.

Os trabalhos para desmantelar um submarino ou uma embarcação nuclear incluem a extração do combustível, desativação dos reatores e, finalmente, a destruição de suas estruturas metálicas.

O custo para inutilizar um submarino, dependendo do modelo, oscila entre 6 e 13 milhões de dólares, e todo o processo dura cerca de nove meses.

No ano passado, a Rússia desmontou 17 submarinos nucleares em péssimo estado entre os mais de 100 abandonados há anos em bases navais por falta de recursos.

Segundo estatísticas oficiais, a Marinha russa tem no Ártico e no oceano Pacífico 180 submarinos fora de serviço, dos quais 98 ainda estão carregados com combustível nuclear.

Estes submarinos possuem tripulações especiais, que têm como principal missão garantir a segurança dos navios e prevenir acidentes como incêndios, inundações e outros problemas.

As despesas de manutenção desta frota inútil somam anualmente cerca de 6 bilhões de rublos (cerca de 190 milhões de euros) e, a cada ano que passa, aumentam os custos e os riscos de problemas.

Organizações ecológicas denunciaram que submarinos, sem combustível mas que ainda possuem reatores, estão mal vigiados nas bases, onde se tornam um alvo fácil para os traficantes de ferro velho e metais raros, que saqueiam materiais destas embarcações depois de subornar os guardas.

Até a década de 1980, devido à falta de tratados internacionais que o proibissem de fazê-lo, Rússia e Estados Unidos afundavam no mar seus submarinos com reatores atômicos obsoletos.