Estudo descarta relação entre vacina tríplice viral e autismo

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado quinta-feira, 7 de março de 2019 as 11:18, por: CdB

Cientistas analisaram mais de 650 mil crianças ao longo de mais de uma década. Ligação hipotética entre imunização contra sarampo e autismo foi apontada há 20 anos por médico britânico e refutada por várias pesquisas.

Por Redação, com DW – de Londres

Após um estudo realizado com mais de 650 mil crianças dinamarquesas, cientistas concluíram que a vacina tríplice viral, que imuniza contra sarampo, caxumba e rubéola, não aumenta o risco de autismo.

Brasil foi o terceiro país com maior aumento de casos de sarampo em 2018, diz Unicef

A afirmação foi divulgada nesta semana na Annals of Internal Medicine, influente publicação do American College of Physicians – associação americana formada por 154 mil médicos, estudantes e pesquisadores da área.

Um artigo publicado na revista reuniu os resultados do estudo nacional realizado por pesquisadores do Statens Serum Institut de Copenhague.

O médico britânico Andrew Wakefield havia estabelecido a hipótese de um vínculo entre a tríplice viral (conhecida pela sigla em inglês MMR) e o autismo, num polêmico artigo publicado em 1998 que ainda gera preocupação e que é utilizado como argumento pelo movimento antivacinas.

Essa suposta relação foi refutada com várias pesquisas posteriores e também nesse novo estudo realizado ao longo de mais de uma década na Dinamarca. O documento conclui que a tríplice viral não aumenta o risco de autismo, nem o desencadeia em crianças suscetíveis à doença por diversos fatores.motivos.

Os especialistas do Statens Serum Insitut incluíram em sua análise 657.461 crianças nascidas na Dinamarca, filhas ou filhos de mães dinamarquesas, entre 1º de janeiro de 1999 e 31 de dezembro de 2010. As crianças foram acompanhadas desde o primeiro ano de vida e até 31 de agosto de 2013.

Do total de crianças observadas, 6.517 foram diagnosticadas com autismo. Comparando os menores vacinados com a tríplice viral com os não vacinados, não foram encontradas diferenças substanciais nos índices de risco de autismo.

– Não encontramos fundamento para a hipótese de risco aumentado de autismo após a vacina tríplice viral numa população nacional aleatória de crianças dinamarquesas – diz o texto do Annals of Internal Medicine.

Da mesma maneira, não se registrou nenhum aumento na probabilidade de sofrer de autismo depois da vacinação entre os subgrupos de crianças com fatores de risco associados à enfermidade.

Os autores destacam ainda que o estudo chega à mesma conclusão que uma pesquisa de 2002, que acompanhou 537 mil crianças dinamarquesas. Além disso, citam dez outras pesquisas sobre vacinas infantis, incluindo seis sobre a tríplice viral, que também não encontraram ligação entre vacina e autismo.

Em comparação com os estudos realizados com centenas de milhares de crianças durante anos, cujos pesquisadores afirmam que não houve constatação de ligação entre a vacina e autismo, o estudo de Wakefield citado frequentemente por opositores à imunização foi feito com apenas 12 crianças.

A pesquisa foi retirada do ar pela publicação médica The Lancet, e o autor perdeu a licença médica no Reino Unido, após processo que avaliou diversas acusações de má conduta profissional relacionadas ao estudo.

Brasil é terceiro em aumento de casos de sarampo

Para este ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu o objetivo, como parte de sua estratégia entre 2019 e 2023, de frear o aumento global do movimento antivacinas. Segundo a OMS, houve aumento de 30% dos casos de sarampo no mundo em 2018 – um sinal de alerta sobre os efeitos negativos do movimento.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o Brasil é o terceiro país com maior aumento de casos de sarampo no mundo. A entidade aponta a redução da vacinação e imigração de venezuelanos entre as causas.

Dez países, incluindo o Brasil, a Venezuela, as Filipinas e o Iêmen, são responsáveis por 74% do total do aumento de casos da doença entre 2017 e 2018. No mundo, 98 países relataram um crescimento na incidência de sarampo no ano passado, em comparação com o ano anterior. “A situação afetou o progresso no combate à doença altamente evitável”, lê-se num comunicado do Unicef.

A agência da ONU também relatou que o Brasil teve 10.262 casos de sarampo confirmados no ano passado, o dobro do registrado em 2017.

Já o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde do Brasil em janeiro confirmou 10.302 casos de sarampo no país.

Há registro de surtos de sarampo nos estados do Amazonas e Roraima, que foram causados pela reintrodução da doença no Brasil com a imigração em massa de refugiados e imigrantes venezuelanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *