Estudo diz que trolls incitam debates antivacinas

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado terça-feira, 28 de agosto de 2018 as 10:38, por: CdB

Pesquisadores de universidade dos EUA afirmam que perfis falsos nas mídias sociais disseminam “informações nocivas à saúde”, provocando crescimento do risco de pandemias globais

Por Redação, com DW – de Nova York 

Um novo estudo publicado na semana passada pela revista científica American Journal of Public Health afirma que as mídias sociais estão sendo usadas para espalhar conteúdo nocivo à saúde, como material contrário a vacinas.

Taxas de vacinação têm caído, sobretudo devido a campanhas antivacinas, muitas vezes baseadas em informações falsas

Pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, nos EUA, descobriram que bots no Twitter e trolls russos são responsáveis pela disseminação da desinformação que “aumenta os riscos de pandemias globais”.

– Militantes contra vacinação têm uma presença significativa nas mídias sociais, com até 50% dos tuítes sobre vacinação contendo crenças contrárias a vacinas – constatou o estudo, depois de analisar 900 tuítes em inglês tidos como de autoria de bots ou trolls.

Segundo os autores, bots podem disseminar malware ou informações falsas sobre saúde, e os trolls humanos baseados na Rússia ativamente “promoveram a discórdia”.

O estudo, intitulado Weaponized Health Communication (comunicação armada de saúde), diz que os trolls russos e os sofisticados bots no Twitter postam conteúdo sobre a vacinação a taxas significativamente mais altas do que os usuários comuns.

Mas eles também dão igual atenção a argumentos pró e contra vacinação. “Parecem projetados para provocar uma resposta e prolongar uma discussão”, diz o estudo. “Isso é consistente com uma estratégia de promover a discórdia em uma série de tópicos controversos – uma tática conhecida, empregada por trolls russos.”

Os cientistas perceberam que os trolls usam uma técnica chamada “astroturfing”, um termo usado para identificar a prática de organizações que se autopromovem como movimentos de base, mas que, na verdade, são financiadas por grupos poderosos.

O relatório alerta que o conteúdo antivacina apresenta riscos significativos à saúde pública, já que tem sido diretamente associado à diminuição das taxas de vacinação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *