EUA acusam hackers da Coreia do Norte de ciberataques

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021 as 10:47, por: CdB

O Departamento de Justiça norte-americano culpou três indivíduos norte-coreanos por suposto envolvimento em esquemas cibernéticos para roubar dinheiro de vários países, incluindo os EUA.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

O Departamento de Justiça norte-americano culpou três indivíduos norte-coreanos por suposto envolvimento em esquemas cibernéticos para roubar dinheiro de vários países, incluindo os EUA.

EUA acusam três hackers da Coreia do Norte de ciberataques de US$ 1,3 bilhão

Washington acusa três hackers norte-coreanos por supostamente orquestrarem ciberataques em todo o mundo de 2014 a 2020 para obter US$ 1,3 bilhão (cerca de R$ 7,03 bilhões) de instituições financeiras e empresas, anunciou na quarta-feira, em comunicado, o Departamento de Justiça dos EUA.

“Uma acusação federal revelada hoje acusa três programadores de computador norte-coreanos de participarem de uma ampla conspiração criminosa para conduzir uma série de ciberataques destrutivos, roubando e extorquindo mais de US$ 1,3 bilhão (R$ 7,03 bilhões) em dinheiro e moeda criptográfica de instituições financeiras e empresas, para criar e implantar múltiplos aplicativos de moeda criptográfica maliciosa, e para desenvolver e comercializar fraudulentamente uma plataforma blockchain”, informou o comunicado.

Agência de inteligência norte-coreana

Os três hackers norte-coreanos, com os nomes Jon Chang Hyok, Kim Il, e Park Jin Hyok, são membros de uma agência de inteligência norte-coreana conhecida como Gabinete de Reconhecimento Geral (RGB, na sigla em inglês), disse o comunicado, acrescentando que às vezes eles estavam localizados na Rússia e na China.

Os hackers supostamente roubaram o dinheiro de bancos no Vietnã, Bangladesh, Taiwan, México, Malta e África entre 2015 e 2019.

Os três são acusados de envolvimento em esquemas de saque em caixas eletrônicos, criação de ransomware (software que exige resgate), desenvolvimento de aplicativos de moeda criptográfica maliciosa com a qual teriam roubado mais de uma centena de milhões de dólares, bem como campanhas de phishing (tentativas de obter informação sensitiva imitando entidades oficiais) nos EUA.