EUA alertam para ameaça de Pequim e firmam pacto militar com Índia

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 27 de outubro de 2020 as 11:59, por: CdB

Os Estados Unidos e a Índia assinaram um pacto para compartilhar dados sigilosos de satélites e mapas nesta terça-feira, e o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, alertou para a ameaça representada por uma China cada vez mais assertiva.

Por Redação, com Reuters – de Nova Délhi

Os Estados Unidos e a Índia assinaram um pacto para compartilhar dados sigilosos de satélites e mapas nesta terça-feira, e o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, alertou para a ameaça representada por uma China cada vez mais assertiva.

Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e secretário de Defesa do país, Mark Esper, durante visita à Índia
Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e secretário de Defesa do país, Mark Esper, durante visita à Índia

Pompeo, que chegou a Nova Délhi na segunda-feira com o secretário de Defesa, Mark Esper, disse depois de conversar com as contrapartes indianas de ambos que os dois países têm que trabalhar juntos para confrontar a ameaça chinesa à segurança e à liberdade.

O dialogo estratégico anual EUA-Índia ocorre em um momento de tensão acentuada na região, onde soldados indianos confrontam forças chinesas na disputada fronteira do Himalaia.

– Grandes coisas estão acontecendo agora que nossas democracias se alinham para proteger melhor os cidadãos dos dois países e, de fato, do mundo livre – disse Pompeo aos repórteres depois de conversas com o ministro das Relações Exteriores indiano, Subrahmanyam Jaishankar, e como ministro da Defesa, Rajnath Singh.

Os militares dos dois lados

O novo pacto de defesa, batizado de Acordo Básico de Contato e Cooperação em Cooperação Geoespacial, é “um marco significativo” que fomentará a cooperação entre os militares dos dois lados, disse Esper em uma coletiva de imprensa.

O presidente dos EUA, Donald Trump, fez do endurecimento com a China uma parte essencial de sua campanha para conquistar um segundo mandato na eleição presidencial da semana que vem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *