EUA: Comissão Federal de Comércio investiga práticas de privacidade do Facebook

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 26 de março de 2018 as 13:11, por: CdB

A rede varejista de autopeças norte-americana Pep Boys anunciou nesta segunda-feira que decidiu suspender toda a publicidade promovida no Facebook

Por Redação, com Reuters – de Washington:

A Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês) informou nesta segunda-feira que está realizando uma investigação aberta sobre as práticas de privacidade do Facebook após a divulgação de que dados de 50 milhões de usuários chegaram às mãos da consultoria política Cambridge Analytica.

Comissão Federal de Comércio dos EUA investiga práticas de privacidade do Facebook

À agência inglesa de notícias Reuters e outros meios de comunicação informaram na semana passada; que a FTC está analisando se o Facebook violou um decreto de consentimento de 2011; que acertou com as autoridades sobre suas práticas de privacidade, disse à Reuters uma pessoa informada sobre o assunto.

– A FTC leva muito a sério as notícias recentes levantando preocupações substanciais sobre as práticas de privacidade do Facebook. A FTC está confirmando que tem uma investigação aberta e não pública sobre essas práticas – disse Tom Pahl, diretor interino do Escritório de Proteção do Consumidor da FTC, em um comunicado.

Rede de autopeças

A rede varejista de autopeças norte-americana Pep Boys anunciou nesta segunda-feira; que decidiu suspender toda a publicidade promovida no Facebook após ter preocupação sobre privacidade de dados; engrossando o grupo de empresas que decidiu parar de fazer anúncios na rede social.

A suspensão foi decidida depois de denúncias de; que uma consultoria política britânica obteve acesso indevido a dados de 50 milhões de usuários do Facebook; para criar perfis de eleitores usados para ajudar a eleger Donald Trump presidente dos EUA em 2016.

– Estamos preocupados sobre as questões em torno do Facebook e decidimos suspender toda a mídia na plataforma até; que os fatos sejam esclarecidos e ações corretivas tenham sido tomadas – disse a diretora de marketing da Pep Boys, Danielle Porto Mohn, em comunicado.

Apple e IBM

Executivos da Apple e da IBM pediram mais supervisão sobre como dados pessoais são usados; após a revelação de que informações de cerca de 50 milhões de usuários do Facebook foram utilizadas indevidamente pela consultoria Cambridge Analytica.

Falando no Fórum de Desenvolvimento da China em Pequim, o presidente-executivo da Apple, Tim Cook; disse que regulamentação “bem elaborada” é necessária; enquanto a presidente da IBM, Virginia Rometty; disse que os usuários devem ter mais atuação sobre seus próprios dados.

– Está claro para mim que algo, alguma grande mudança profunda é necessária – disse o chefe da Apple, Tim Cook, no sábado.

– Eu,pessoalmente, não sou um grande fã da regulação porque às vezes a regulamentação pode ter conseqüências inesperadas. Mas acho que essa situação é tão terrível e se tornou tão grande que provavelmente é necessária uma regulamentação bem elaborada – disse Cook, que copresidiu o evento este ano.

O Facebook está sob intensas críticas de usuários, legisladores e investidores após denúncia de; que permitiu que a consultoria britânica Cambridge Analytica utilizasse indevidamente dados da rede social para construir perfis de eleitores; que depois foram usados para ajudar a eleger o presidente dos EUA, Donald Trump, em 2016.

Na sexta-feira, parlamentares dos EUA solicitaram oficialmente que Mark Zuckerberg, presidente do Facebook; explique em uma audiência do Congresso do país como os dados dos usuários foram liberados para a consultoria.

A violação

A violação provocou um intenso debate sobre a responsabilidade das grandes empresas de tecnologia em informar adequadamente os usuários sobre como seus dados são usados.

– Se você vai usar essas tecnologias, precisa dizer às pessoas que está fazendo isso; e elas nunca devem se surpreender – disse a presidente-executiva da IBM.

– (Temos que permitir) que as pessoas optem por entrar e optem por sair; e que seja claro que a propriedade dos dados pertence ao criador deles – disse Rometty.

A China, onde o fórum está sendo realizado, também está buscando reforçar as regras sobre privacidade pessoal após uma série de erros cometidos pelas principais empresas de tecnologia, incluindo a firma de buscas Baidu e a afiliada de pagamento do Alibaba Group Holding, a Ant Financial.

China

– A China tem se tornado cada vez mais consciente desse problema e tem reforçado as leis relevantes de forma mais clara e forte – disse o chefe da Baidu, Robin Li, no mesmo evento.

– Eu acho que o povo chinês é mais aberto, ou menos sensível à questão da privacidade. Se eles são capazes de trocar(privacidade) por conveniência, segurança ou eficiência – em muitos casos eles estão dispostos a fazer isso – disse Li.

Em janeiro, um grupo de consumidores de Jiangsu, no leste da China, entrou com uma ação contra a Baidu alegando que a empresa estava coletando dados pessoais ilegalmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *