EUA fomentam a instabilidade no mundo, denuncia diplomata chinês

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 23 de novembro de 2019 as 16:57, por: CdB

Em reunião com o chanceler holandês Stef Blok durante encontro de chanceleres do G20, na cidade japonesa de Nagoia, o conselheiro de Estado da China Wang Yi não conteve suas críticas aos EUA.

 

Por Redação, com Reuters – de Nagoia, Japão

 

Os Estados Unidos são a maior fonte de instabilidade no mundo e seus políticos rodam o planeta difamando a China sem fundamentos, disse o principal diplomata chinês neste sábado, num ataque inflamado durante reunião do G20 no Japão.

O diplomata Wang Yi acusou o governo do presidente Donald Trump de disseminar notícias falsas sobre a China
O diplomata Wang Yi acusou o governo do presidente Donald Trump de disseminar notícias falsas sobre a China

As relações entre as duas maiores economias do mundo têm se deteriorado em meio a uma ferrenha guerra comercial —a qual tentam resolver— e a temas como direitos humanos, Hong Kong e o apoio norte-americano a Taiwan, ilha reivindicada pela China.

Em reunião com o chanceler holandês Stef Blok durante encontro de chanceleres do G20, na cidade japonesa de Nagoia, o conselheiro de Estado da China Wang Yi não conteve suas críticas aos EUA.

— Os EUA estão amplamente engajados no unilateralismo e no protecionismo e são prejudiciais ao multilateralismo e ao sistema comercial multilateral. Já se tornaram o maior fator de desestabilização do mundo — disse Wang, segundo o Ministério das Relações Exteriores chinês.

Interferência

Os Estados Unidos têm, por razões políticas, usado a máquina de Estado “para coibir negócios chineses legítimos e têm feito acusações sem fundamento contra a China, o que pode ser considerado perseguição”, acrescentou Wang.

— Certos políticos dos EUA têm difamado a China em todos os lugares do mundo, mas não produziram uma prova — reclamou.

Os EUA têm também usado sua lei interna para “interferir grosseiramente” nos negócios internos da China, numa tentativa de manchar a ideia de “um país, dois sistemas” em Hong Kong, bem como a estabilidade e a prosperidade do território, acrescentou ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *