EUA: militar pede cautela com gesto de apaziguamento da Coreia do Norte

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 4 de janeiro de 2018 as 13:07, por: CdB

Em um pronunciamento de Ano-Novo, o líder norte-coreano, Kim Jong Un, disse estar aberto ao diálogo com a Coreia do Sul, aliada de Washington

Por Redação, com Reuters – de Washington:

O chefe das forças norte-americanas na Coreia do Sul alertou nesta quinta-feira para que ninguém deposite muitas esperanças no gesto de apaziguamento da Coreia do Norte, ocorrido em meio a uma guerra de palavras entre os Estados Unidos e o regime recluso devido aos programas nuclear e de mísseis deste último.

o líder norte-coreano, Kim Jong Un, disse estar aberto ao diálogo com a Coreia do Sul, aliada de Washington

Em um pronunciamento de Ano-Novo, o líder norte-coreano, Kim Jong Un; disse estar aberto ao diálogo com a Coreia do Sul, aliada de Washington, e que pode mandar uma delegação para a Olimpíada de Inverno; que acontece em solo sul-coreano em fevereiro.

Kim também alertou que seguirá com a “produção em massa” de ogivas nucleares; levando adiante um programa de armas que desafia sanções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Propôs conversas

Em resposta, na terça-feira Seul propôs conversas de alto nível em um vilarejo fronteiriço, e na quarta-feira as duas Coreias reativaram uma linha telefônica de fronteira que estava desligada desde fevereiro de 2016.

– Precisamos manter nossas expectativas no nível apropriado – disse o comandante das Forças dos Estados Unidos na Coreia, general Vincent Brooks; durante um discurso feito em uma universidade de Seul; segundo a agência de notícias Yonhap.

O presidente dos EUA, Donald Trump, e Kim Jong Un trocaram diversas declarações beligerantes nos últimos meses; provocando alarme em todo o mundo; e em algumas ocasiões Trump desdenhou a perspectiva de uma solução diplomática para uma crise durante a qual Pyongyang tem ameaçado destruir os EUA, o Japão e a Coreia do Sul.