EUA voltam a bombardear Iraque

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quinta-feira, 20 de novembro de 2003 as 12:32, por: CdB

As forças da coalizão liderada pelos EUA que ocupam o Iraque realizaram nesta quarta-feira o maior bombardeio aéreo na região centro-norte do país desde que o presidente norte-americano, George W. Bush, declarou o fim das principais operações no Iraque, em 1º de maio. Foram usadas bombas, morteiros e artilharia para tentar conter a resistência da guerrilha iraquiana. Segundo a Quarta Divisão de Infantaria, jatos F-15 e F-16 lançaram 12 bombas de 250 quilos na região.

Em Baquba, cidade 60 km ao norte da capital iraquiana, Bagdá, quatro bombas foram lançadas sobre fazendas e outros locais supostamente usados por guerrilhas. Os bombardeios fazem parte de operações lançadas neste mês pelos EUA, em resposta a ataques que mataram 177 soldados norte-americanos em seis meses. “Realizamos ações contra esses alvos antes, mas isto é para demonstrar mais uma vez que temos poder de fogo significativo e podemos usá-lo a nosso critério”, disse o coronel Mark Young, da Quarta Divisão de Infantaria.

As tropas americanas realizaram na segunda-feira uma demonstração de força fazendo uma série de disparos em Tikrit, ex-reduto do deposto presidente Saddam Hussein e grande foco da resistência iraquiana. Os disparos de morteiro, realizados por mais de uma hora por soldados da Quarta Divisão de Infantaria, iluminaram o céu de Tikrit, 180 km ao norte de Bagdá. Segundo um porta-voz militar dos EUA, os disparos, por volta da meia-noite (19h em Brasília), fizeram parte da operação “Ciclone de pedra 2”, destinada a provar que as tropas americanas são capazes de utilizar todo tipo de armas à sua disposição para neutralizar os ataques que estão sofrendo.

Bagdá e áreas ao norte e ao oeste da capital iraquiana são cenários frequentes de ataques contra autoridades ocupantes, organizações internacionais e iraquianos aliados da coalizão liderada pelos EUA. 




 
Busca Avançada

Leia mais…



» Mundo


» Suprema Corte de Massachusetts decide a favor do casamento gay