Europa e EUA ameaçam ipê da Amazônia brasileira à extinção

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 30 de março de 2022 as 12:16, por: CdB

O estudo aponta que a demanda pela madeira estimula degradação e desmatamento na Amazônia, pois 96% (451 mil metros cúbicos de 470 mil) dos ipês exportados da floresta, entre 2017 e 2021, vieram do Brasil.

Por Redação, com Sputnik – de Brasília

Relatório mostra que Brasil é fonte de 96% dos ipês exportados da floresta sul-americana.

Mercados de luxo da Europa e EUA ameaçam ipê da Amazônia brasileira à extinção

Uma pesquisa publicada nesta semana pelo instituto Forest Trends revela dados preocupantes sobre a exportação de ipê amazônico brasileiro, principalmente para países europeus e os EUA.

“As populações de ipê diminuíram severamente nos últimos 30 anos, e podem desaparecer da Amazônia”, alerta o relatório.

O estudo aponta que a demanda pela madeira estimula degradação e desmatamento na Amazônia, pois 96% (451 mil metros cúbicos de 470 mil) dos ipês exportados da floresta, entre 2017 e 2021, vieram do Brasil.

Nesses cinco anos, as vendas cresceram 76% em relação entre 2010 e 2016. Os maiores compradores foram Europa, Estados Unidos e Canadá, seguidos por Israel, China, Coreia do Sul, Japão e Índia.

O valor do metro cúbico do ipê exportado cresceu 63% do início de 2016 a dezembro do ano passado, pulando para cerca de R$ 21 mil. As variadas espécies de ipê têm madeiras belas, duras e resistentes à chuva e ao sol. Quase todas estão no Brasil.

Com uma dureza alta e excelente densidade, o material pode ser empregado em construções, na fabricação de instrumentos musicais, em portas e janelas, pisos de madeira, e entre outros.

Seriamente ameaçado

Como a extração cresceu progressivamente, e a espécie exige de 80 a 100 anos para se tornar adulta, o ipê está seriamente ameaçado. Além disso, toda a extração, tanto legal quanto criminosa, ocorre em áreas naturais, ou seja, que não foram plantadas.

O Supremo Tribunal Federal tem a possibilidade de garantir a retomada do Plano de Prevenção e Controle de Desmatamento na Amazônia Legal, o PPCDAm. No dia 30 de março, os ministros devem julgar a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 760, que exige a retomada do cumprimento das metas climáticas assumidas pelo Brasil.

Uma análise produzida pela Terra de Direitos revela que com desmonte do PPCDAm, as taxas de desmatamento entre unidades de conservação na Amazônia Legal tiveram um aumento de quase 25%.

Criado em 2004 para diminuir o desmatamento, o PPCDAm englobou importantes ações de proteção à floresta, como a criação de novas Unidades de Conservação e o reconhecimento de terras indígenas.

Apenas na primeira fase do plano, entre 2004 e 2008, 81 unidades de conservação foram criadas na Amazônia Legal, que atualmente conta com mais de 350.

Além do enfraquecimento do PPCDAm, uma série de medidas acentuou ainda mais a pressão sobre os territórios em unidades de conservação, com o aponta o estudo da Terra de Direitos. “A falta de fiscalização ambiental e de impunidade marcam esse último período”, escreve a publicação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code