Evo Morales alerta para novo golpe de Estado na Bolívia

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 28 de dezembro de 2020 as 10:04, por: CdB

Durante uma assembleia no departamento de Cochabamba, Bolívia, o ex-presidente Evo Morales, alertou sobre a possibilidade de no país ocorrer um novo golpe de Estado. Morales instou seus seguidores a debaterem uma forma de defender a política do atual governo e o processo de mudança.

Por Redação, com Sputnik – de La Paz

Durante uma assembleia no departamento de Cochabamba, Bolívia, o ex-presidente Evo Morales, alertou sobre a possibilidade de no país ocorrer um novo golpe de Estado.

Evo Morales
Evo Morales

O presidente falava na assembleia das seis Federações do Trópico, que juntam cerca de 700 comunidades locais da província do Chapare.

Morales instou seus seguidores a debaterem uma forma de defender a política do atual governo e o processo de mudança.

– A questão do golpe ainda é válida, é uma luta ideológica, programática, é uma luta cultural, social, comunitária e, naturalmente, uma luta eleitoral – afirmou Morales.

Movimento ao Socialismo

Ele também adicionou que é preciso debater sobre como proteger a política que seu partido aplicou, o Movimento ao Socialismo (MAS), desde 2006, quando assumiu a presidência, que agora é ocupada por Luis Arce.

– Devemos debater “como vamos cuidar do presidente Lucho (Luis Arce), do vice-presidente David (Choquehuanca) e como defender o processo de mudança. Devemos discutir profundamente a nova doutrina militar e policial, para que servirão a Polícia e as Forças Armadas – observou.

Morales também recordou que o ex-chefe das Forças Armadas, o general Sergio Orellana, havia tentado impedir que Luis Arce Catacora assumisse a presidência dias antes da posse, porém não teve apoio pois “alguns militares jogaram muito bem”, prometendo que divulgaria os seus nomes.

– Também estou convencido que nas Forças Aramadas não há apenas gente que respeita e admira o MAS, como também anti-imperialistas, (embora) não sejam muitos (…). A outra luta que temos é debater, ver o que fazer com alguns submetidos ao império norte-americano, militares ou policiais – instou.