Ex-deputado do Paraná é encontrado morto em Brasília

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 21 de março de 2018 as 13:53, por: CdB

De acordo com assessores do governo do Paraná, o ex-deputado sofreu um mal súbito na madrugada desta quarta-feira. Pizzatto teria um histórico de problemas cardíacos e de diabetes

Por Redação, com ABr – de Brasília:

O secretário de representação do Paraná em Brasília, Luciano Pizzatto, morreu na madrugada desta quarta-feira no quarto de um hotel em Brasília. Não há, até o momento, informações sobre o motivo da morte. Pizzatto foi deputado federal por cinco mandatos, entre 1991 e 2013, pelos partidos PMDB, PRN, PFL e DEM, e deputado estadual, pelo PMDB, entre 1989 e 1991.

O ex-deputado Luciano Pizzatto, do Paraná

De acordo com assessores do governo do Paraná, o ex-deputado sofreu um mal súbito na madrugada desta quarta-feira. Pizzatto teria um histórico de problemas cardíacos e de diabetes.

Brasília

Como chefe do escritório do governo estadual em Brasília, ele tinha; entre suas atribuições, o contato com parlamentares e autoridades do Poder Executivo. Nos últimos dias; estava acompanhando a vice-governadora do Paraná, Cida Borghetti (PP), nas agendas pela cidade; o que incluía participações no 8º Fórum Mundial da Água e no Seminário Internacional da Primeira Infância.

Pizzato nasceu no dia 23 de março de 1957 em Curitiba. Ele é formado em engenharia florestal pela Universidade Federal do Paraná.

Crise hídrica

O Brasil tem 917 municípios em crise hídrica, informou o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, ao participar do 8° Fórum Mundial da Água. Esse número corresponde aos municípios que estão em situação de emergência por seca ou estiagem até o dia 13 de março.

O ministro destacou que a crise hídrica não é mais um problema somente do Nordeste, onde estão a maioria das cidades. Do total de municípios, 211 estão na Bahia, 196 na Paraíba, 153 no Rio Grande do Norte, 123 em Pernambuco; 94 no Ceará, 40 em Minas Gerais, 38 em Alagoas, 18 no Rio de Janeiro, 17 do Rio Grande do Sul, além de registros em outros Estados.

No fórum, o ministro destacou que é preciso fazer investimentos para ampliar e modernizar o sistema de abastecimento do país.

Segundo ele, o país tem cerca de 11% da água doce do planeta; mas a distribuição territorial não é uniforme. “Temos de intensificar a cooperação entre os órgãos governamentais. É importante que os estados estejam integrados, otimizar as estratégias de uso racional”, disse.

Ela acrescentou que também é “determinante” revitalizar o Rio São Francisco; buscar integração entre baciais das regiões do Brasil e investir em saneamento básico.

– No momento em que constatamos que a escassez hídrica e a insegurança hídrica não mais se reportam apenas ao Nordeste; é fundamental que as intervenções passem por um diálogo federado – acrescentou o ministro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *