Ex-diretor de Bangu III depõe na ALERJ

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado terça-feira, 17 de junho de 2003 as 11:14, por: CdB

Em depoimento à Comissão de Segurança Pública da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira, o ex-diretor de Bangu III, Lafaiete Fragoso, negou que o secretário Estadual de Esportes, Francisco de Carvalho, tenha levado presentes e convites para escolas de samba aos presidiários. Disse também, que Chiquinho só compareceu poucas vezes ao complexo penitenciário, no contexto de um projeto social para os presos.

Entretanto, segundo os agentes penitenciários que testemunharam anteriormente, o secretário de Esportes teria feito, aproximadamente, 20 visitas, no período de um ano e meio, ao presídio. O presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembléia, deputado Flávio Bolsonaro, disse que o depoimento de Lafaiete Fragoso foi pouco consistente e apresentou algumas contradições. Fragoso já havia negado a presença de Chiquinho da Mangueira no complexo penitenciário, em depoimento dado no último dia 6, em inquérito policial.

A Comissão Parlamentar ouve, nesta terça-feira, Pabla Alexandra de Visconte, membro do movimento cultural do bairro de São Cristóvão, que participou do café da manhã no dia em que Chiquinho da Mangueira teria pedido ao comandante do 4º Batalhão da PM, coronel Erir Ribeiro, que diminuísse as incursões da polícia no morro.

Também deverão depor o deputado Josias Quintal, o juiz de menores Ciro Darlan e os presidentes das associações dos moradores das comunidades da Candelária e do Telégrafo, situadas no mesmo bairro.

Os deputados querem encerrar as atividades investigativas antes do recesso Legislativo, previsto para dia 27 deste mês, encaminhando um relatório à Comissão de Constituição e Justiça que, por sua vez, apresentará um parecer à Mesa Diretora. Esta é quem decidirá se cabe julgamento em plenário sobre o caso.