Executivo do governo pede demissão 48 horas antes do incêndio no Museu Nacional

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 3 de setembro de 2018 as 11:24, por: CdB

O Ministério da Cultura limitou-se a elogiar a gestão de Araújo, embora não tenha dito a razão de sua saída.

 

Por Redação – de Brasília

 

Presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Mattos Araújo, entregou o cargo na sexta-feira, apenas 48 horas antes do incêndio que marca a devastação de 200 anos da História brasileira. O Ibram, setor executivo do Sistema Nacional de Museus, segundo fonte ouvida pela reportagem do Correio do Brasil, tinha conhecimento da precariedade em que se encontravam “as instalações do maior acervo cultural e científico da América Latina”.

— O risco de uma tragédia era iminente. Chega a ser criminoso o simples ato de conhecer da situação e não agir para deter a tragédia que se abateu sobre a História brasileira — afirmou fonte ligada ao Ibram, em condição de anonimato.

Competência

Polícia investiga a origem e a causa do incêndio que destruiu o Museu Nacional, para apurar se foi, ou não, um ato criminoso
Polícia investiga a origem e a causa do incêndio que destruiu o Museu Nacional, para apurar se foi, ou não, um ato criminoso

Ao todo, o Brasil possui 3,6 mil museus, “a maioria deles em estado de semi abandono”, acrescentou. O Ministério da Cultura limitou-se a elogiar a gestão de Araújo, embora não tenha dito a razão de sua saída.

“Segundo (o atual responsável pelo Ministério da Cultura) Sérgio Sá Leitão, ainda não foi definido o nome que ocupará a partir de agora a presidência do Ibram”, diz o texto publicado. “Ele demonstrou a mais absoluta competência na gestão da política pública museológica e dos museus federais brasileiros”, resume.

Currículo

O ministério informa em sua página que, “durante a gestão de Araújo, em 2017 e 2018, foram autorizados quase R$ 4 milhões em recursos para a reforma e a modernização de diferentes instituições. Entre elas, estão os museus Nacional de Belas Artes e da República, no Rio de Janeiro, o Museu Regional de São João del Rey, em Minas Gerais, e o Museu da Abolição, em Recife”. Não há menção ao Museu Nacional, no Rio.
Marcelo Mattos Araújo foi o secretário de Cultura do Estado de São Paulo e indicado para ser o presidente do Ibram, responsável pela gestão direta de 30 museus federais, em junho de 2016, logo após a edição do golpe de Estado, em curso, e a ocupação de instalações do Ministério, no Rio de Janeiro.

Araújo é bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, e especialista em museologia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo; além de doutor pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *