Exército da Síria recupera controle sobre fronteira com Jordânia, diz Rússia

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 2 de agosto de 2018 as 13:32, por: CdB

Segundo o responsável militar, “as tropas governamentais sírias com o apoio da Força Aérea da Rússia aniquilaram totalmente os grupos armados

Por Redação, com EFE – de Moscou:

O Exército da Síria recuperou o controle total sobre a fronteira sírio-jordaniana, informou nesta quinta-feira o Ministério de Defesa da Rússia.

– Foi restabelecido completamente o controle sobre a fronteira sírio-jordaniana – disse o chefe de operações do Estado Maior russo, general Sergei Rudskoi, em pronunciamento para a imprensa.

O Exército da Síria recuperou o controle total sobre a fronteira sírio-jordaniana

Segundo o responsável militar, “as tropas governamentais sírias com o apoio da Força Aérea da Rússia aniquilaram totalmente os grupos armados de Estado Islâmico e Al Nusra e assumiram o controle do território das províncias de Deraa, Al Quneitra e Al Sweida.

Rudskoi, que qualificou de “única no seu gênero” a operação militar feita no sul da Síria, disse que os destacamentos jihadistas “controlavam mais de 55% do território da região de distensão Sul”, uma das quatro estabelecidas no país árabe.

– Os grupos terroristas travavam permanentemente combates com os destacamentos da oposição moderada a fim de ampliar seus territórios –disse o general russo, ressaltando que a população civil era refém da situação e sofria da falta de alimentos, de remédios e inclusive de água potável.

Ele acrescentou que a ajuda humanitária canalizada por organizações internacionais caía, como regra, nas mãos dos terroristas e não chegava à população civil.

– Todas as tentativas dos moradores de defender seus direitos ou propriedades eram punidos pelos terroristas, inclusive com execuções públicas – disse Rudskoi.

O chefe de operações do Estado Maior russo explicou que os terroristas realizavam tentativas de assumir territórios controlados pelas tropas governamentais sírias, o que representava um “perigo real para os policiais militares russos que servem na linha de demarcação da antiga zona de conflito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *