Explosivos derrubaram o WTC e não o impacto de aviões, afirma estudo

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 24 de janeiro de 2020 as 13:46, por: CdB

A resolução declara que os Board of Fire Commissioners do distrito “apoiam plenamente um abrangente grande júri federal de investigação e acusação de todo o crime relativo aos ataques do 11 de Setembro.

Por Pátria Latina – de Nova York, NY-EUA

Colapso do WTC7. Pela primeira vez desde sempre, um organismo eleito nos Estados Unidos declara que está “para além de qualquer dúvida” que explosivos, não impactos de aviões e incêndios isolados, destruíram as três torres do World Trade Center em 11 de setembro de 2001.

Explosivos e não impactos de aviões destruíram as três torres do World Trade Center
Explosivos e não impactos de aviões destruíram as três torres do World Trade Center

Comissários do Distrito de Bombeiros (Fire District) da Franklin Square e de Munson, localizados próximos de Queens, Nova York, aprovaram por unanimidade uma resolução histórica em 24 de julho de 2019 que clama por uma nova investigação a todos os aspectos do 11 Setembro e que menciona “evidência esmagadora” de que foram plantados explosivos em todas as três torres antes do 11/Set. A resolução declara que os Board of Fire Commissioners do distrito “apoiam plenamente um abrangente grande júri federal de investigação e acusação de todo o crime relativo aos ataques do 11 de Setembro…”

– Foi um assassinato em massa – disse o comissário Christopher Gioia numa entrevista. “Três mil pessoas foram assassinadas a sangue frio”. Gioia, que escreveu e apresentou a resolução, diz que o número de mortos no seu departamento devido aos eventos daquele dia foi devastador. Os membros Thomas J. Hetzel e Robert Evans morreram no Piso Zero no 11/Set. Outros, incluindo os comissários Philip Malloy e Joseph Torregrossa, ficaram doentes devido à exposição ao ar tóxico durante operações de resgate e recuperação.

– Nós não deixamos nossos irmãos para trás – disse Gioia. “Não vamos esquecê-los. Eles merecem justiça e vamos fazer com que a justiça seja feita”.

A investigação

Desde que um amigo o alertou vários anos atrás para o colapso aparentemente inexplicável do Edifício 7, Gioia tem dedicado sua paixão e tempo à investigação do assunto. Ele descobriu que apesar de serem apenas fogos pequenos e isolados só nuns poucos pisos, o edifício de 47 andares veio abaixo simetricamente, dentro do seu próprio terreno, em apenas menos de sete segundos no 11/Set.

A investigação oficial do colapso foi conduzido pelo National Institute of Standards and Technology (NIST), uma agência tutelada pelo Departamento do Comércio dos EUA, o qual de algum modo concluiu que incêndios normais de escritório foram responsáveis pela falência da estrutura. Mas as descobertas de investigadores independentes do 11/Set a trabalharem com Architects & Engineers for 9/11 Truth (AE911Truth) posteriormente forçaram o NIST a admitir que o edifício veio abaixo numa queda livre durante pelo menos um terço da sua queda de sete segundos. Isto é algo que só podia acontecer se todas as colunas de suporte falhassem virtualmente em simultaneidade. Apesar desta admissão, o NIST apegou-se à sua conclusão original.

Gioia decidiu entrar em acção quando soube que o Comité de Juristas para Inquérito ao 11/Set (Lawyers’ Committee for 9/11 Inquiry) havia submetido a Geoffrey Berman, o Promotor para o Distrito Sul de Nova York, uma petição contendo evidência poderosa que contradiz a narrativa oficial do 11/Set. Berman concordou em cumprir a lei que dele requeria arrolar membro de um grande júri especial para examinar esta evidência. Embora ainda não o tenha cumprido, o Comité de Juristas continua a pressionar.

Estudo de universidade confirma que incêndios não foram a causa.

Famílias vítimas

A resolução do distrito de bombeiros não é o único desenvolvimento dramático na frente do 11 Setembro nos últimos dias e semanas. Em março, um processo conjunto federal foi lançado contra o FBI pela AE911Truth, pelo Comité de Juristas e por membros de famílias vítimas do 11/Set. Ele sustenta que a agência falhou em desempenhar uma avaliação obrigatória do Congresso quanto à evidência conhecida do 11/Set que não fora considerada pela Comissão do 11/Set.

E talvez o mais poderoso passo em frente tenha sido dado em 3 de Setembro com a desde há muito aguardada divulgação do importante Estudo do Edifício 7, Uma reavaliação estrutual do colapso do World Trade Center 7 ( Building 7 Study – A Structural Reevaluation of the Collapse of World Trade Center 7 ) pela Universidade do Alasca Fairbanks (UAF). O estudo de quatro anos, dirigido pelo Dr. Leroy Hulsey, Ph.D., e dois outros investigadores, é uma “análise de elementos finitos” que utiliza modelação por computador baseada nas plantas originais dos edifícios. Sua finalidade é determinar se a explicação oficial para a destruição do Edifício 7 se mantém de pé. Não se mantém.O sumário executivo do estudo declara: “… incêndios não podiam ter causado enfraquecimento ou deslocamento de membros estruturais capazes de iniciar quaisquer das hipotéticas falhas locais que se alega terem disparado o colapso total do edifício, nem podiam quaisquer falhas locais, mesmo se tivesse ocorrido, ter disparado uma sequência de falhas que teriam resultado no colapso total observado”.

Isto leva Hulsey e seus colegas a dizer: “É nossa conclusão, com base nestas descobertas, que o colapso do WTC 7 foi uma falha global envolvendo a falha quase simultânea de todas as colunas do edifício e não um colapso progressivo envolvendo falhas sequenciais de colunas através do edifício”.

A minuta do estudo de Hulsey foi divulgada em Fairbanks, Alasca, e em Berkeley, Califórnia. Comentários acerca da minuta foram recebidos até 15 de Novembro . A versão final será divulgada no princípio de 2020.

Este é o mais recente movimento para divulgar a verdade acerca do 11/Set a um público muito mais vasto e obter justiça tanto para os que morreram naquele dia como para os que morreram nas guerras subsequente que foram lançadas utilizando o 11/Set como justificação.

– Eu diria a quem neste país acredita que é hora de se posicionar; que não se pode deixar isto passe em branco – diz Gioia. “Porque se eles matam 3 mil pessoas, o que não farão a seguir?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *