‘Facada nas costas’, diz França após Austrália deixar acordo por submarinos

Arquivado em: América do Norte, América Latina, Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 16 de setembro de 2021 as 14:55, por: CdB

Em uma coletiva de imprensa conjunta e remota, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, anunciaram a criação do Aukus e a construção de submarinos nucleares em solo australiano.

Por Redação, com Brasil de Fato – de Paris

Paris teceu duras críticas após a Austrália abandonar um acordo com a companhia francesa Naval Group de 2016 para renovar sua frota de submarinos. O negócio tinha um orçamento de aproximadamente US$ 90 bilhões, cerca de R$ 470 bilhões. Os australianos optaram por entrar no pacto militar “Aukus”, assinado com Estados Unidos e Reino Unido.

Paris teceu duras críticas após a Austrália abandonar um acordo com a companhia francesa Naval Group

– É realmente uma facada nas costas. Estabelecemos uma relação de confiança com a Austrália, essa confiança foi traída – disse o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, à imprensa francesa, de acordo com o jornal The Guardian.

O ministro francês da Defesa, Florence Parly, afirmou em comunicado conjunto com o chanceler que a decisão de Camberra é “lamentável” e fragiliza a “autonomia estratégica europeia”.

Naval Group

A Naval Group tem um acordo com a Marinha do Brasil, que também prevê a renovação da frota de submarinos brasileiros e a construção de um submarino de propulsão nuclear no Brasil, além de negócios com Índia, Malásia, Bélgica, Holanda e Egito.

Em uma coletiva de imprensa conjunta e remota, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, anunciaram a criação do Aukus e a construção de submarinos nucleares em solo australiano.

– Precisamos ser capazes de abordar o ambiente estratégico atual na região e como ele pode evoluir, porque o futuro de cada uma de nossas nações e, na verdade, do mundo, depende de um Indo-Pacífico livre e aberto, duradouro e florescente no décadas à frente – disse Biden.

Embora a China não tenha sido citada na coletiva, o anúncio ocorre em um contexto de acirramento das tensões no mar do sul da China. A área é uma importante rota de navegação e foco de tensão entre os países da região.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code