Facebook: dados de 533 milhões de usuários são vazados em site de pirataria

Arquivado em: Destaque do Dia, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado domingo, 4 de abril de 2021 as 11:18, por: CdB

 

A informação roubada inclui nomes completos de usuários, números de telefone, ID do Facebook, localizações, datas de nascimento, biografia e, em alguns casos, endereços de correio eletrônico.

Por Redação, com Sputnik – de São Francisco

Dados pessoais de mais de 533 milhões de usuários do Facebook de centenas de países foram publicados de forma gratuita em um fórum de pirataria.

Dados de 533 milhões de usuários do Facebook são vazados em site de pirataria

Os dados, incluindo nomes completos, números de telefone, endereços de correio eletrônico e informação biográfica, foram publicados em um fórum de pirataria pouco conhecido.

A informação roubada inclui nomes completos de usuários, números de telefone, ID do Facebook, localizações, datas de nascimento, biografia e, em alguns casos, endereços de correio eletrônico, entre outros dados, segundo Alon Gal, diretor de tecnologia da empresa de segurança Hudson Rock, que foi o primeiro a descobrir o vazamento de dados.

Diversas contas

Todos os 533 milhões de registros do Facebook foram vazados gratuitamente. Isto significa que se você tem uma conta no Facebook, é muito provável que o número de telefone usado para sua conta tenha sido vazado. Eu ainda não vi o Facebook reconhecer esta absoluta negligência de seus dados. No início de 2020, foi explorada uma vulnerabilidade que permitiu visualizar o número de telefone de diversas contas do Facebook, criando um banco de dados com informações de 533 milhões de usuários de todo o mundo. Esse banco de dados foi severamente subnotificado e hoje se tornou muito mais preocupante.

O vazamento afetou usuários de mais de 100 países, incluindo mais de 32 milhões de registros de usuários nos EUA, 13 milhões no México, quase 11 milhões na Espanha, oito milhões no Brasil e Peru, e quase sete milhões no Chile.

Os piratas “certamente usaram a informação para engenharia social, fraudes, pirataria e marketing”, explica Gal.