Farmacêuticas indianas consideram EUA ameaça à produção de vacinas

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 15 de março de 2021 as 10:34, por: CdB

A produção de vacinas contra covid-19 está sob ameaça por causa do controle norte-americano sobre exportações, anunciaram dois produtores de vacinas AstraZeneca e Johnson & Johnson na Índia.

Por Redação, com DW – de Nova Délhi

A produção de vacinas contra covid-19 está sob ameaça por causa do controle norte-americano sobre exportações, anunciaram dois produtores de vacinas AstraZeneca e Johnson & Johnson na Índia.

Farmacêuticas indianas consideram EUA ameaça à produção de vacinas contra coronavírus

De acordo com Mahima Datla, diretora executiva da farmacêutica Biological E, citada pelo jornal Financial Times, os fornecedores norte-americanos avisam que podem não ser capazes de cumprir encomendas de clientes estrangeiros por causa do Ato de Produção de Defesa.

Ela considera que isso dificulta não apenas a produção em grande escala de vacinas contra o coronavírus, mas também de quaisquer vacinas e apelou para intervenção internacional nesta situação.

Antes dela, a preocupação sobre esse ato foi expressa pelo chefe do Instituto Serum da Índia, Adar Poonawalla, que afirmou que a lei poderia minar os esforços globais de vacinação.

Produtos dos EUA

– A vacina Novavax, da qual somos o maior fabricante, necessita desses produtos dos EUA. Nós falamos em ter acesso livre global às vacinas, mas se nós não conseguirmos obter as matérias-primas dos EUA isso será um sério fator limitante – explicou ele.

Em particular, trata-se de plásticos necessários para as vacinas que são produzidos por um número limitado de empresas.

O Ato de Produção de Defesa entrou em vigor nos EUA em 1950. Esta lei permite às autoridades obrigar as empresas a realizar as encomendas governamentais em primeiro lugar.

Em abril de 2020, Donald Trump assinou um decreto para utilização deste ato na produção de ventiladores mecânicos, máscaras e outros produtos necessários para o combate contra a covid-19. Um documento idêntico foi dos primeiros decretos assinados pelo novo presidente norte-americano Joe Biden.