‘Fase um’ do acordo entre China e EUA tende a reduzir tarifas mútuas

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 20 de novembro de 2019 as 15:51, por: CdB

Duas pessoas a par das negociações disseram que Trump decidiu que reverter as tarifas existentes, além de cancelar uma imposição programada de tarifas em 15 de dezembro sobre US$ 156 bilhões em bens de consumo chineses, exige concessões mais profundas da China.

 

Por Redação, com Reuters – de Washington

 

A “fase um” de um pacto comercial entre os Estados Unidos e a China deveria ser um acordo limitado que permitiria aos líderes de ambos os países reivindicar uma vitória fácil enquanto acalmavam os mercados financeiros.

Autoridade norte-americana disse que o futuro das tarifas de 15 de dezembro está sendo considerado parte das negociações
Autoridade norte-americana disse que o futuro das tarifas de 15 de dezembro está sendo considerado parte das negociações

Mas pode se transformar em algo maior se o presidente dos EUA, Donald Trump, concordar com as exigências de Pequim de reverter as tarifas existentes sobre produtos chineses, dizem pessoas familiarizadas com as negociações.

O Ministério do Comércio da China disse neste mês que a remoção de tarifas impostas durante a guerra comercial é uma condição importante para qualquer acordo. A demanda faz com que as autoridades norte-americanas se perguntem se maiores compras chinesas de produtos agrícolas dos EUA, promessas de melhor acesso ao setor de serviços financeiros da China e promessas de proteger a propriedade intelectual, são suficientes para pedir em troca.

Reeleição

Duas pessoas a par das negociações disseram que Trump decidiu que reverter as tarifas existentes, além de cancelar uma imposição programada de tarifas em 15 de dezembro sobre US$ 156 bilhões em bens de consumo chineses, exige concessões mais profundas da China.

— O presidente quer a opção de ter um acordo maior com a China. Maior do que apenas o pequeno acordo (anunciado em outubro) — disse Derek Scissors, um estudioso da China do American Enterprise Institute em Washington.

Scissors, que consulta as autoridades do governo, disse que a chance de Trump concordar em remover as tarifas existentes depende em grande parte se ele acreditar que isso beneficiará suas chances de reeleição. Alguns consultores da Casa Branca gostariam de ver a China concordando com grandes compras agrícolas específicas, enquanto os EUA mantêm tarifas existentes para poder futuro.

Isso ajudaria o círculo eleitoral de Trump, ao mesmo tempo em que permitiria ao presidente fazer campanha para manter sua postura “dura com a China”, que apela aos eleitores em Estados-chave como Ohio, Michigan e Pensilvânia.

Tarifas

Mas Pequim está se recusando a se comprometer com uma quantidade específica de compras de produtos agrícolas, dentro de um período de tempo específico, e quer permitir que a oferta e a demanda ditem acordos.

Pequim também quer que Trump elimine as tarifas de 15% sobre US$ 125 bilhões em mercadorias chinesas impostas em 1º de setembro, além de fornecer um alívio às tarifas de 25% impostas a uma lista anterior de US$ 250 bilhões em bens industriais e de consumo.

Um especialista em comércio de Washington disse que, para atingir os US$ 40, US$ 50 bilhões, em compras anuais chinesas de produtos agrícolas norte-americanos anunciados por Trump em outubro, ele provavelmente teria que eliminar todas as tarifas que os EUA estabeleceram desde o início da guerra comercial em 2018.

Casa Branca

Trump e o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, reconhecem que fazer tais concessões para um acordo comercial “magro” que não atenda às questões essenciais de propriedade intelectual e transferência de tecnologia não é um negócio muito bom para Trump, disse uma segunda pessoa a par do telefonema comercial do fim de semana passado.

Trump é o tomador de decisão final nos EUA em qualquer acordo e ainda não se comprometeu com detalhes específicos, dizem os assessores da Casa Branca.

A “fase um” de um acordo comercial que antes deveria ser concluído poucas semanas após uma entrevista coletiva em outubro entre Trump e o vice-primeiro-ministro chinês Liu He, agora pode ser adiado no próximo ano, dizem especialistas em comércio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *