Felipão lembra ausência de Romário em 2002 para destacar futebol coletivo

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 5 de abril de 2018 as 14:45, por: CdB

Com relação ao Mundial deste ano, Felipão vê a seleção pentacampeã mais uma vez entre as favoritas e deixou de fora de sua lista a de Portugal, da qual foi treinador de 2003 a 2008 e que é a atual campeã europeia

Por Redação, com EFE – do Rio de Janeiro:

Campeão mundial à frente da seleção brasileira em 2002, o técnico Luiz Felipe Scolari valorizou nesta quinta-feira o futebol coletivo em detrimento da dependência do talento individual e lembrou que conquistou o título há 16 anos mesmo sem convocar o atacante Romário.

O técnico Luiz Felipe Scolari valorizou nesta quinta-feira o futebol coletivo

Em entrevista concedida durante o Bilbao International Football Summit (BIFS’18); congresso realizado na cidade espanhola, Felipão disse achar difícil que um jogador se destaque na Copa do Mundo deste ano, na Rússia, sem companheiros de bom nível.

Copa

– É difícil que algum jogador faça a diferença nesta Copa; porque o aspecto coletivo atualmente tem importância máxima – declarou o treinador, que vê a seleção de 2002 como exemplo de coletividade.

– Às vezes, um jogador melhor tecnicamente não é o melhor para a equipe. A decisão mais difícil; que eu tive para a Copa de 2002 foi convocar o Ronaldo e deixar fora o Romário, um grande ídolo brasileiro – relatou.

Ainda sobre a campanha vitoriosa na Coreia do Sul e no Japão, Scolari; que está desempregado desde a saída do Guangzhou Evergrande; no fim do ano passado, recordou o duelo com a Bélgica, pelas oitavas de final, em que o Brasil encontrou grande dificuldade para vencer por 2 a 0.

– Nosso momento mais difícil foi a partida contra a Bélgica, que entrou em campo sem pressão alguma. A pressão estava toda sobre nós, e tivemos medo de nos equivocarmos – disse.

Pressão

Ainda sobre pressão, Felipão, que também dirigiu a seleção brasileira no último Mundial, admitiu que pesa ainda mais jogar em casa. “É fundamental uma boa gestão da pressão nos grandes campeonatos. Comparando a Copa de 2002 com a de 2014; jogar em casa é mais difícil devido por causa disso”, considerou.

Com relação ao Mundial deste ano, Felipão vê a seleção pentacampeã mais uma vez entre as favoritas e deixou de fora de sua lista a de Portugal; da qual foi treinador de 2003 a 2008 e que é a atual campeã europeia. “Argentina, Brasil, Espanha, França e Alemanha são os candidatos exponenciais para ficarem com o título”, opinou.

O técnico também foi perguntado sobre o gol de bicicleta de Cristiano Ronaldo; com quem trabalhou na seleção portuguesa; na vitória do Real Madrid sobre a Juventus na última terça-feira, e exaltou a capacidade de finalização do craque.

Cristiano Ronaldo

– Cristiano faz gols de todo tipo, dessa forma, dentro da área, de fora, de cabeça, com o pé esquerdo; e com o pé direito. Todo mundo fica admirado com os gols que ele faz, com efeito; com a capacidade de se levantar; que demonstrou no outro dia… Mas ele tem em casa uma máquina com a qual trabalha o dia todo; diferentemente de muitos outros. É um obsessivo com o futebol – salientou.

Técnico do Guangzhou por três temporadas, Felipão acredita; que o futebol da China está se desenvolvendo e que a seleção local voltará a uma Copa em breve. Até hoje; a equipe asiática esteve em apenas um Mundial, em 2002.

– Acho que a China poderá se classificar para uma Copa em um prazo de sete a 10 anos porque está começando a dar passos nesse sentido. O presidente chinês adora futebol e o incentiva; é uma matéria obrigatória nas escolas do país – enalteceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *