Fernando Haddad aceita plano B de Lula e diz que será, de novo, candidato em 2022

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021 as 15:41, por: CdB

O ex-prefeito de São Paulo já planeja uma série de viagens por Estados brasileiros, a lado de Lula, a começar por Minas Gerais, ainda neste mês. As primeiras viagens devem ter agendas mais restritas por causa da epidemia do coronavírus, mas deixam claro que Lula apoia Haddad contra Bolsonaro.

Por Redação – de São Paulo

Caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não consiga de volta seus direitos políticos — cassados devido à prisão decretada por Sérgio Moro, então juiz da Operação Lava Jato — o plano B volta a ser o professor Fernando Haddad, candidato derrotado por Jair Bolsonaro (sem partido) no segundo turno das eleições, em 2018.

Haddad representa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições deste ano
Haddad representará, mais uma vez, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 2022

O ex-prefeito de São Paulo já planeja uma série de viagens por Estados brasileiros, a lado de Lula, a começar por Minas Gerais, ainda neste mês. As primeiras viagens devem ter agendas mais restritas por causa da epidemia do coronavírus, mas deixam claro que Lula apoia Haddad contra Bolsonaro, mais uma vez, caso não consiga ser liberado para concorrer à reeleição.

Compete ao Supremo Tribunal Federal (STF), no julgamento de um habeas corpus que tramita na Corte, decidir sobre os direitos políticos de Lula. A pauta está prevista para julgamento, em Plenário, na última instância, ainda neste semestre. Com o resultado positivo para Lula, o processo contra ele no caso do tríplex tende a ser anulado.

Lula candidato

Quanto às eleições de 2022, segundo Haddad, ele está disposto a ser candidato a presidente, se tudo der errado para Lula, no STF.

— Ele (Lula) me chamou para uma conversa no último sábado, disse que não temos mais tempo para esperar e pediu para colocar o bloco na rua. Eu aceitei — disse Haddad, a jornalistas.

O professor universitário, no entanto, fez uma ressalva. Afirmou que, diante da evidente parcialidade do ex-juiz Sérgio Moro, espera que Lula recupere seus direitos políticos.

— Caso isso ocorra, ele terá o apoio de todos nós — concluiu.