Fifa pede ‘bom senso’ às ligas em protestos pela morte de Floyd

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Futebol, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 2 de junho de 2020 as 13:10, por: CdB

A Fifa pediu aos organizadores de competição que usem “bom senso” com jogadores que mostrarem mensagens de protesto pela morte de George Floyd, um negro desarmado morto sob custódia policial nos Estados Unidos.

Por Redação, com Reuters – de Berna/Nova York

A Fifa pediu aos organizadores de competição que usem “bom senso” com jogadores que mostrarem mensagens de protesto pela morte de George Floyd, um negro desarmado morto sob custódia policial nos Estados Unidos.

Atacante Jadon Sancho homenageia George Floyd ao marcar em partida entre SC Paderborn e Borussia Dortmund
Atacante Jadon Sancho homenageia George Floyd ao marcar em partida entre SC Paderborn e Borussia Dortmund

A medida, que marca uma mudança em relação a uma linha rigorosa anterior contra jogadores que exibiam mensagens em campo, ocorre no momento em que atletas e figuras esportivas de todo o mundo deixam clara sua opinião sobre a situação nos EUA.

Os regulamentos

Os regulamentos da Fifa impedem os jogadores de exibirem “slogans, declarações ou imagens políticas, religiosas ou pessoais”. Desde 2014, essa proibição inclui camisetas – uma resposta aos jogadores levantando suas camisas para exibir uma mensagem após marcar um gol.

Mas vários jogadores protestaram durante as partidas da Bundesliga alemã no fim de semana, com Jadon Sancho e Achraf Hakimi, do Borussia Dortmund, exibindo camisetas com a mensagem “Justice for George Floyd” no domingo.

A Federação Alemã

A Federação Alemã de Futebol (DFB) informou que está analisando os incidentes.

Em comunicado divulgado na terça-feira, a Fifa disse que “entende completamente a profundidade do sentimento e as preocupações expressas por muitos jogadores de futebol à luz das circunstâncias trágicas do caso George Floyd”.

Acrescentou que a aplicação das regras é de responsabilidade dos organizadores da competição, como as ligas domésticas, que, segundo a Fifa, “devem usar bom senso e levar em consideração o contexto em torno dos eventos”.

Mayweather

O astro do boxe Floyd Mayweather se ofereceu para pagar as despesas de funeral de George Floyd, o homem afro-americano de 46 anos cuja morte durante custódia policial em Mineápolis provocou protestos nos Estados Unidos.

A empresa promocional do ex-campeão mundial em cinco categorias, Mayweather Productions, confirmou no Twitter que havia feito a oferta, e várias reportagens da mídia local informaram que a família aceitou.

A Mayweather Productions e a agência do boxeador não responderam a um pedido de comentário.

Derek Chauvin, o policial de Mineápolis de 44 anos que se ajoelhou em Floyd, foi preso por acusações de homicídio culposo e assassinato em terceiro grau. Três outros policiais envolvidos na prisão não foram formalmente acusados.

O incidente

O incidente provocou protestos nos Estados Unidos e no exterior, com diversos atletas e ligas profissionais se posicionando, incluindo Michael Jordan e Tiger Woods.

Steve Bisciotti, proprietário do Baltimore Ravens, da NFL, prometeu 1 milhão de dólares para reforma da justiça social e disse que um grupo de jogadores antigos e atuais decidiria quais organizações se beneficiariam.

– Todos precisamos descobrir novas maneiras de nos unir. Todos precisamos trabalhar para romper o ciclo da injustiça racial sistemática – disse Bisciotti em comunicado.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *