Filho de Bolsonaro tenta acessar dados sobre devassa da Receita às suas contas

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 10 de junho de 2021 as 16:54, por: CdB

O habeas data, instrumento jurídico de uso raro que tem como objetivo assegurar a um cidadão acesso a dados e informações pessoais sob a guarda do Estado, foi protocolado nesta manhã. O instrumento foi útil às vítimas da ditadura a fim de obter, após a redemocratização, as informações produzidas sobre eles.

Por Redação – do Rio de Janeiro

Os advogados do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) pediram à Justiça Federal, nesta quinta-feira, que intime a Receita Federal e o Serpro a disponibilizarem o resultado da devassa feita nos sistemas do fisco para identificar acessos aos dados fiscais do filho ’01’, como é conhecido o parlamentar, primogênito do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ) fala ao telefone com o advogado após receber a notícia de que se tornou réu em ação sobre o escândalo da 'rachadinha'
Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ) fala ao telefone com o advogado após receber a notícia de que se tornou réu em ação sobre o escândalo da ‘rachadinha’

O habeas data, instrumento jurídico de uso raro que tem como objetivo assegurar a um cidadão acesso a dados e informações pessoais sob a guarda do Estado, foi protocolado nesta manhã. O instrumento foi útil às vítimas da ditadura a fim de obter, após a redemocratização, as informações produzidas sobre eles durante o regime.

A Receita fez uma devassa para tentar identificar investigações em dados fiscais do presidente Bolsonaro, de seus três filhos políticos, de suas duas ex-mulheres, da primeira-dama, Michelle, e de Fabrício Queiroz, suposto operador financeiro de Flávio.

‘Rachadinha’

O levantamento, segundo reportagem do diário conservador paulistano Folha de S. Paulo (FSP), foi “muito mais amplo do que apontado meses atrás como um movimento apenas da defesa de Flávio contra a investigação da suposta ‘rachadinha’ tocada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro”.

“Atingiu, na verdade, todo o entorno familiar do presidente, incluindo suas duas ex-mulheres com quem dividiu seu patrimônio e que não são alvo da investigação contra Flávio. O rastreamento abrangeu 22 sistemas de dados da Receita no período de janeiro de 2015 a setembro de 2020. Os advogados dizem que não solicitaram a realização das demais pesquisas no entorno do presidente. A Receita não informou o responsável pela solicitação da devassa”, escreveu o jornalista Italo Nogueira, na FSP.

Os defensores de ’01’ afirmam, ainda, que não receberam o resultado da apuração especial sobre o senador e a mulher dele, Fernanda, e recorreu à Justiça para obtê-los.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code