Filho mais velho de Fidel Castro, comete suicídio aos 68 anos

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018 as 10:03, por: CdB

Inicialmente o cientista nuclear, também conhecido como “Fidelito” por lembrar muito o pai, foi hospitalizado, e mais tarde continuou fazendo tratamento

Por Redação, com Reuters – de Havana:

Fidel Castro Diaz-Balart, o filho mais velho do falecido líder revolucionário cubano Fidel Castro, se suicidou, aos 68 anos, depois de se tratar de depressão durante meses, noticiou a mídia estatal de Cuba.

Fidel Castro Diaz-Balart, filho mais velho do falecido líder cubano Fidel Castro, durante evento em Havana

Inicialmente o cientista nuclear, também conhecido como “Fidelito” por lembrar muito o pai; foi hospitalizado, e mais tarde continuou fazendo tratamento.

– Castro Diaz-Balart, que foi atendido por um grupo de médicos durante vários meses devido a um estado de depressão profunda; cometeu suicídio nesta manhã – relatou o site Cubadebate.

Fidelito, o filho de Fidel mais conhecido do grande público; nasceu em 1949 como fruto do breve casamento entre Mirta Diaz-Balart e o líder revolucionário; que mais tarde depôs um ditador apoiado pelos Estados Unidos e ergueu um Estado comunista na vizinhança dos EUA durante a Guerra Fria.

Por parte de mãe, Castro Diaz-Balart era primo de alguns dos piores inimigos de Fidel na comunidade norte-americana de exilados cubanos; o deputado Mario Diaz-Balart e o ex-parlamentar Lincoln Diaz-Balart.

Em sua infância, a disputa pela guarda da criança também gerou uma disputa intensa entre as duas famílias.

EUA

Acadêmicos cubanos dizem que sua mãe o levou consigo para os EUA quando ele tinha cinco anos; depois de anunciar que queria se divorciar de Fidel enquanto ele estava na prisão devido a um ataque ao quartel de Moncada, em Santiago de Cuba.

Fidel conseguiu levar Fidelito de volta a Cuba após a revolução de 1959.

Físico nuclear poliglota que estudou na antiga União Soviética, Castro Diaz-Balart chefiou o programa nuclear cubano de 1980 a 1992 e encabeçou o desenvolvimento de uma usina nuclear na maior ilha do Caribe até seu pai demiti-lo.

A morte de Fidelito ocorreu pouco mais de um ano após o falecimento de seu pai; em 25 de novembro de 2016 aos 90 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *