Flavio Bolsonaro compara pedido de cassação do irmão a AI-6

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 1 de novembro de 2019 as 12:56, por: CdB

Para Flávio Bolsonaro, a simples tentativa de cassação de mandato do seu irmão “por falar” já é o próprio AI-6.

Por Redação, com Sputnik e Agências de Notícias- de Brasília

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) saiu em defesa do irmão e senador Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que cogitou aplicação de um “novo AI-5” para conter radicalização da esquerda no Brasil.

A declaração de Eduardo Bolsonaro sobre AI-5 foi amplamente criticada pela oposição, que decidiu pedir cassação do mandato do deputado. Para Flávio Bolsonaro, a simples tentativa de cassação de mandato do seu irmão “por falar” já é o próprio AI-6.

Flavio Bolsonaro além de sair em defesa do irmão, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, perguntou quem mandou matar o pai
Flavio Bolsonaro além de sair em defesa do irmão, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, perguntou quem mandou matar o pai

Com a enxurrada de críticas, Eduardo Bolsonaro até já pediu desculpas pelas palavras expressas, mas seu irmão Flávio as trouxe de volta ao citar AI-6.

“AI-6” já estava entre os assuntos mais comentados no Twitter na manhã desta sexta-feira, com mais de 14 mil tweets até a publicação desta matéria.
“Amam tanto a ditadura e sequer conhecem sua história”, escreveu internauta, que postou Ato Institucional Número Seis (AI-6) assinado em 1º de fevereiro de 1969.

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) escreveu que “ao falar de AI-6, o clã Bolsonaro não entende nada de democracia nem de história”, ressaltando que a cassação de Eduardo Bolsonaro já foi pedida.

O que AI-6 ocasionou no Brasil?
O Ato Institucional Número Seis (AI-6), assinado em 1º de fevereiro de 1969, modificou a estrutura do Supremo Tribunal Federal (STF), reduzindo de 16 para 11 ministros da Corte, e transferiu para a Justiça Militar os crimes contra a segurança nacional. Três senadores e 18 deputados tiveram seus mandatos cassados pelo Conselho de Segurança Nacional.

“Quem mandou matar Jair Bolsonaro?”

Ainda nesta sexta-feira, em seu perfil em uma rede social, Flávio aproveitou para questionar sobre quem mandou matar o pai em setembro de 2018, durante a campanha eleitoral. Nesta postagem, muitos seguidores questionam sobre a morte de Marielle Franco, sobre quem matou mandar a vereadora e sobre milicianos.

Representação contra Eduardo Bolsonaro

A oposição entrará com representação contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) por quebra de decoro parlamentar, em função da sua declaração sobre possibilidade de decretação de “um novo AI-5“. Também será apresentada uma representação criminal junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), por quebra da ordem constitucional. Ele defendeu a utilização do mecanismo caso a esquerda “radicalize” contra o governo de seu pai, Jair Bolsonaro.

Em seu discurso na última semana, Eduardo Bolsonaro tentou intimidar os movimentos sociais que tentassem realizar manifestações contra o governo, como as que vem ocorrendo no Chile. Em alusão velada à ditadura, afirmou que a veríamos a “história se repetir”.

Repercussão sobre citação do AI-5

Nesta quinta-feira o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que “a apologia reiterada a instrumentos da ditadura é passível de punição pelas ferramentas que detêm as instituições democráticas brasileiras. Ninguém está imune a isso. O Brasil jamais regressará aos anos de chumbo”.

Nota de Maia:

“O Brasil é um Estado Democrático de Direito e retornou à normalidade institucional desde 15 de março de 1985, quando a ditadura militar foi encerrada com a posse de um governo civil. Eduardo Bolsonaro, que exerce o mandato de deputado federal para o qual foi eleito pelo povo de São Paulo, ao tomar posse jurou respeitar a Constituição de 1988. Foi essa Constituição, a mais longeva Carta Magna brasileira, que fez o país reencontrar sua normalidade institucional e democrática. A Carta de 88 abomina, criminaliza e tem instrumentos para punir quaisquer grupos ou cidadãos que atentem contra seus princípios – e atos institucionais atentam contra os princípios e os fundamentos de nossa Constituição. O Brasil é uma democracia. Manifestações como a do senhor Eduardo Bolsonaro são repugnantes, do ponto de vista democrático, e têm de ser repelidas como toda a indignação possível pelas instituições brasileiras. A apologia reiterada a instrumentos da ditadura é passível de punição pelas ferramentas que detêm as instituições democráticas brasileiras. Ninguém está imune a isso. O Brasil jamais regressará aos anos de chumbo”.

A deputada Maria do Rosário escreveu em rede social. “Está claro q este foi escalado p/ tirar o foco dos outros q vizinham com o escritório do crime e milicianos do Rio. Ele ñ fala por seu mandato pífio. Ameaça o país e a própria @camaradeputados q integra em nome da presidência da república. Ñ adianta ficar de desculpinhas depois”.

Já o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) pediu a casação do deputado.”Nós da oposição vamos pedir a cassação de Eduardo Bolsonaro no Conselho de Ética e acionar o STF. A apologia do filho do presidente ao AI-5, que significa o fechamento do Congresso e a perseguição de opositores, é um crime contra a Constituição e as instituições democráticas”, escreveu em seu perfil.

1 thought on “Flavio Bolsonaro compara pedido de cassação do irmão a AI-6

  1. A Constituição têm que ser respeitada esse especialista em fazer amburguer deve ser punido dentro da lei, não venha com desculpas você errou feio é maldoso e malicioso tanto quanto ao seu genitor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *