Florestas da Amazônia estão perdendo capacidade de absorver dióxido de carbono, diz estudo

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 9 de março de 2020 as 11:54, por: CdB

Os especialistas também perceberam que a Amazônia, por estar exposta a condições mais extremas, foi a primeira a enfraquecer e que as florestas africanas têm essa tendência desde recentemente.

Por Redação, com Sputnik – de Brasília

As florestas tropicais da Amazônia e África estão absorvendo um terço menos dióxido de carbono que em 1990.

Florestas tropicais da Amazônia estão perdendo capacidade de absorver dióxido de carbono
Florestas tropicais da Amazônia estão perdendo capacidade de absorver dióxido de carbono

Em um estudo realizado por cientistas de diferentes países e liderado pela Universidade de Leeds, no Reino Unido, os especialistas examinaram e classificaram mais de 300 mil árvores por ano durante as últimas três décadas para calcular a quantidade de carbono que armazenaram tanto as plantas vivas como as que morreram no processo.

As árvores armazenam dióxido de carbono, que é liberado quando são cortadas, queimadas ou decompostas.

– O dióxido de carbono adicional aumenta o crescimento das árvores, porém a cada ano este efeito é cada vez mais neutralizado pelos impactos negativos das temperaturas e secas constantes, que atrasam o crescimento e podem matá-las – explicou à agência inglesa de notícias Reuters, o autor e líder do estudo Wannes Hubau.

Os especialistas também perceberam que a Amazônia, por estar exposta a condições mais extremas, foi a primeira a enfraquecer e que as florestas africanas têm essa tendência desde recentemente.

Floresta tropical

As observações e um modelo estatístico estimam que, em 2030, a selva africana absorva aproximadamente 14% menos dióxido de carbono.

Já no caso da floresta tropical amazônica, estima-se que, até 2035, esta não absorva o carbono e se torne, pelo contrário, grande fonte de emissão de gases de efeito estufa devido aos incêndios florestais.

– Um dos impactos mais preocupantes da mudança climática já começou – afirmou Simon Lewis, ecologista da Universidade de Leeds e coautor do estudo, ressaltando que as florestas tropicais “agravarão o problema”.