Forças Armadas compram desde bacalhau a cerveja superfaturados, denuncia parlamentar

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado domingo, 14 de fevereiro de 2021 as 17:01, por: CdB

A denúncia do deputado federal Elias Vaz (PSB-GO), que  divulgou as compras identificadas no Painel de Preços do Ministério da Economia, na véspera, já tem endereço certo. O Tribunal de Contas da União (TCU) será instado a investigar as compras do Ministério da Defesa, logo após o carnaval, segundo ofício do parlamentar endereçado ao Tribunal.

Por Redação – de Brasília

As compras das Forças Armadas (FA) não apenas definem um estilo luxuoso à mesa, mas sobram indícios de corrupção sob os panos. O consumo de milhares de quilos de picanha e garrafas de cerveja ao longo de 2020 soma-se, agora, a mais de 140 mil quilos de bacalhau com preços que chegam até a R$ 150 o quilo; além das garrafas de uísque 12 anos e de conhaque finíssimo, compradas a preços exorbitantes.

De acordo com o relatório de compras das Forças Armadas, os militares brasileiros comem do bom e do melhor; além de beber até uísque 12 anos

A denúncia do deputado federal Elias Vaz (PSB-GO), que  divulgou as compras identificadas no Painel de Preços do Ministério da Economia, na véspera, já tem endereço certo. O Tribunal de Contas da União (TCU) será instado a investigar as compras do Ministério da Defesa, logo após o carnaval, segundo ofício do parlamentar endereçado ao Tribunal.

A compra de bacalhau chega a 9.748 quilos de filé e 139.468 quilos de lombo para os militares. 

— O lombo é o corte mais nobre do bacalhau, usado para pratos requintados e caros em restaurantes sofisticados, algo muito distante do cardápio da maioria dos brasileiros — disse o parlamentar a jornalistas, neste domingo.

Pregão eletrônico

O Comando da Aeronáutica, segundo o relatório a que o deputado Vaz teve acesso, determinou a compra de 500 quilos de lombo de bacalhau, em que o preço de referência usado pelo órgão público foi de nada menos que R$ 150 o quilo. O quilo do lombo de bacalhau, comprado no varejo (não no atacado, como as Forças Armadas o fazem), em um supermercado normal, custa menos da metade do preço: R$ 69,90.

No site atacadista Cota Best, o preço equivale a do valor comprado pelo Comando da Aeronáutica: R$ 37,70.Os preços também chamam a atenção em outros casos. O valor informado por quilo de picanha foi de R$ 84,14 (num processo para compra de 13.670 quilos), obtido por meio do Pregão Eletrônico n° 37/2019, concluído em 29 de janeiro de 2020 e conduzido pela Diretoria de Abastecimento da Marinha – no supermercado Extra, a picanha comprada no varejo tem preço de R$ 53,89 o quilo. Já em outro processo, de 62.370 quilos de miolo de alcatra, o quilo custa R$ 82,37, quando nas prateleiras de uma rede de supermercados o preço no varejo não passa de R$ 38,99, o quilo.

Investigação

No caso das cervejas, o valor da Bohemia Puro Malte que consta no processo já homologado é R$  4,33 e o preço para o consumidor comum, em uma busca rápida por supermercados, é R$ 2,59, diferença de 67%. A lata de Skol Puro Malte tem valor no processo de R$ 4 e no varejo a R$ 2,49, indicando superfaturamento de 48,6%. O governo também está comprando Stella Artois de 550 ml por R$ 9,05, mais caro que os R$ 6,99 do supermercado. 

— É um poço sem fundo. Quanto mais investigamos, mais absurdos e irregularidades encontramos. Se não bastasse o governo comprar picanha e cerveja, ainda tem o corte mais caro do bacalhau, uísque e conhaque e com indícios de superfaturamento — diz o deputado

Junto com a bancada do PSB, o parlamentar assina também uma representação enviada ao procurador-geral da República, Augusto Aras, para que investigue os gastos militares.

— Além da PGR, eu e mais nove deputados do PSB vamos levar essas informações ao Tribunal de Contas da União. Também estamos discutindo propor a instalação da CPI das compras do governo na Câmara Federal — concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code