França relembra cinco anos dos maiores ataques terroristas de sua história

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 13 de novembro de 2020 as 13:08, por: CdB

A França relembrou nesta sexta-feira os cinco anos dos ataques terroristas mais sangrentos de sua história. Em 13 de novembro de 2015, 10 terroristas franceses e belgas, divididos em três grupos posicionados em duas áreas de Paris e um no Stade de France, em Saint-Denis, mataram 130 pessoas e deixaram cerca de 400 feridos em uma noite trágica.

Por Redação, com ANSA – de Paris

A França relembrou nesta sexta-feira os cinco anos dos ataques terroristas mais sangrentos de sua história. Em 13 de novembro de 2015, 10 terroristas franceses e belgas, divididos em três grupos posicionados em duas áreas de Paris e um no Stade de France, em Saint-Denis, mataram 130 pessoas e deixaram cerca de 400 feridos em uma noite trágica.

Pequenas cerimônias marcaram os 5 anos dos ataques em Paris e Saint-Denis
Pequenas cerimônias marcaram os 5 anos dos ataques em Paris e Saint-Denis

A maior parte das vítimas, 89, estava na casa de shows Bataclan, e as demais estavam em bares e restaurantes da capital francesa.

Como o ataque ao estádio em Saint-Denis foi impedido por seguranças, no momento em que ocorria um amistoso da seleção do país, uma morte foi registrada no local.

O premiê da França, Jean Castex, participou nesta sexta-feira de uma série de homenagens, com o depósito de coroas de flores para as vítimas nos locais dos ataques. Em seu Twitter, o político ainda postou a frase em latim “Fluctuat nec mergitur”, que significa “É sacudida pelas ondas, mas não afunda” e é o lema da cidade de Paris.

A prefeita da capital, Anne Hidalgo, também esteve presente nas cerimônias e postou a mensagem “Paris se lembra”. A representante ainda informou que, nesta noite às 20h (hora local), a Torre Eiffel terá suas luzes apagadas para depois cintilar por 130 vezes em memória de cada uma das vítimas dos atentados.

Os eventos, no entanto, foram restritos e pequenos por conta da pandemia do coronavírus Sars-CoV-2.

Ano do terror:

Os ataques terroristas cometidos em novembro foram reivindicados pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI) e fecharam um ano que havia começado também de maneira sangrenta.

Em janeiro de 2015, os irmãos Said e Chérif Kouachi e Amédy Coulibaly atacaram a redação do jornal satírico Charlie Hebdo e um supermercado kosher na capital.

As ações dos irmãos mataram 11 pessoas, incluindo alguns dos principais chargistas da publicação, além de um policial que estava fazendo a segurança do prédio. Dois dias depois, Coulibaly matou quatro pessoas dentro de um supermercado.

O julgamento de 14 pessoas ligadas aos terroristas começou em 2 de setembro, mas havia sido paralisado porque três acusados haviam contraído a covid-19. Segundo informou a mídia do país nesta sexta, o julgamento será retomado na próxima segunda-feira, a partir das 9h30. .