França, Rússia e EUA pedem cessar-fogo em Nagorno-Karabakh

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 1 de outubro de 2020 as 14:07, por: CdB

França, Rússia e Estados Unidos pediram nesta quinta-feira um cessar-fogo imediato entre o Azerbaijão e as forças armênias étnicas nos arredores de Nagorno-Karabakh, e exortaram os lados rivais a retomarem as negociações sem demora.

Por Redação, com Reuters – de Baku/Ierevan

França, Rússia e Estados Unidos pediram nesta quinta-feira um cessar-fogo imediato entre o Azerbaijão e as forças armênias étnicas nos arredores de Nagorno-Karabakh, e exortaram os lados rivais a retomarem as negociações sem demora.

Foguete destroçado é visto perto de cemitério em Ivanyan (Khojaly), na região de Nagorno-Karabakh
Foguete destroçado é visto perto de cemitério em Ivanyan (Khojaly), na região de Nagorno-Karabakh

A medida coincidiu com o aumento do número de mortos nos confrontos mais intensos desde meados dos anos 1990 na região, que é parte do Azerbaijão, mas controlada por seus moradores majoritariamente armênios étnicos.

“Pedimos uma cessação imediata das hostilidades entre as forças militares relevantes”, disseram os presidentes francês, russo e norte-americano em um comunicado conjunto na qualidade de copresidentes do Grupo de Minsk da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

“Também pedimos aos líderes de Armênia e Azerbaijão para se comprometerem sem demora a retomar negociações substantivas, de boa fé e sem precondições, sob os auspícios dos copresidentes do Grupo de Minsk da OSCE.”

Mais cedo, o presidente russo, Vladimir Putin, debateu a crise com o Conselho de Segurança de seu país, disse o porta-voz do Kremlin.

Grupo de Minsk

Putin e seu colega francês, Emmanuel Macron, também debateram como o Grupo de Minsk que arbitra o conflito, pode ajudar a encerrar o combate, disse o Kremlin.

A Rússia ainda se ofereceu a receber os ministros das Relações Exteriores da Armênia e do Azerbaijão para conversas sobre o fim do confronto, que irrompeu no domingo, ressuscitando um conflito de décadas no enclave montanhoso.

Desde então, surgiram relatos de dezenas de mortos e centenas de feridos. Nagorno-Karabakh se separou do Azerbaijão em uma guerra travada entre 1991 e 1994 que matou 30 mil pessoas, mas não é reconhecida por nenhum país como uma república independente.

A Procuradoria-Geral do Azerbaijão disse que um bombardeio armênio matou um civil na cidade azeri de Terter na manhã desta quinta-feira e danificou seriamente a estação de trem.

O ressurgimento

A porta-voz do Ministério da Defesa armênio disse que forças azeris tentaram se reagrupar, mas que foram impedidas de fazê-lo.

O ressurgimento de um dos “conflitos congelados” que remontam ao colapso da União Soviética, em 1991, provocou preocupações a respeito da estabilidade do sul do Cáucaso, um corredor de dutos de petróleo e de gás para mercados de todo o mundo, e o temor de que as potências regionais Rússia e Turquia sejam envolvidas.

O Kremlin disse não haver alternativa ao uso de “métodos políticos e diplomáticos” para resolver a crise.

O gabinete de Macron informou que ele e Putin “também compartilharam sua preocupação quanto ao envio de mercenários sírios por parte da Turquia a Nagorno-Karabakh”.

A Turquia, aliada do Azerbaijão de maioria muçulmana, disse que “fará o que for necessário” para ajudá-lo, mas negou ter enviado mercenários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code