Francisco condena máfia por explorar pandemia e lucrar com corrupção

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 21 de março de 2021 as 11:27, por: CdB

 

O papa Francisco condenou neste domingo os grupos mafiosos, presentes em várias partes do mundo, que enriquecem com a corrupção, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus Sars-CoV-2.

Por Redação, com ANSA – de Roma

O papa Francisco condenou neste domingo os grupos mafiosos, presentes em várias partes do mundo, que enriquecem com a corrupção, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus Sars-CoV-2.

Declaração foi dada por ocasião do dia da memória das vítimas

– As máfias estão presentes em todo o mundo e, explorando a pandemia, enriquecem com a corrupção – denunciou o Pontífice, na transmissão da oração do ângelus, realizada na biblioteca do Palácio Apostólico por causa das restrições impostas pelo avanço da covid-19.

A declaração foi dada por ocasião do “Dia da Memória e do Compromisso” em lembrança das vítimas inocentes da máfia, uma iniciativa da Associação “Libera” celebrada anualmente em 21 de março na Itália.

Durante a mensagem, Francisco definiu as palavras e gestos das associações mafiosas como “estruturas do pecado contrárias ao Evangelho de Cristo”.

– Estas estruturas de pecado, as estruturas mafiosas, contrárias ao Evangelho de Cristo, confundem a fé com a idolatria – denunciou, fazendo referência à suposta religiosidade cultivada por mafiosos.

Segundo o Papa, hoje a Itália comemora “todas as vítimas” e renova “o compromisso contra as máfias”.

O líder da Igreja Católica há anos demonstra preocupação com a atuação da máfia. Em 2015, o Papa visitou Nápoles para condenar a ‘Ndrangheta’, considerada a mais influente organização criminosa da Itália.

Racismo 

Por ocasião do Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, o papa Francisco afirmou que o racismo é um vírus que muda facilmente e em vez de desaparecer se esconde, mas está sempre à espreita.

– Expressões de racismo renovam em nós a vergonha, demonstrando que o progresso da sociedade não está assegurado uma vez e para todos – escreveu em uma publicação no Twitter.