Na fuga, grandes investidores têm evitado até falar do Brasil

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 28 de abril de 2021 as 17:39, por: CdB

Capitão de indústria, no Brasil, o empresário Guilherme Leal, ex-candidato a vice-presidente na chapa da candidata Marina Silva (PV), em 2018, também notou o aumento da resistência dos investidores estrangeiros. Disse que muitos deles não querem mais sequer falar em investir no Brasil, por causa da política ambiental.

Por Redação – de São Paulo

Um número cada vez maior de empresários e investidores brasileiros tem percebido que, além da retração sistemática nos últimos meses, tem aumentado a resistência dos grandes fundos de investimento no aporte de recursos em projetos brasileiros. O banqueiro Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central e associado ao megainvestidor George Soros comentou com jornalistas, nesta quarta-feira, que precisou suspender a captação de um multibilionário fundo de private equity com antecedência, devido à falta de investidores, principalmente do exterior.

Tronco de árvore em chamas na Amazônia
A devastação da Amazônia tem afugentado os grandes fundos internacionais de investimento

— O pessoal está meio em greve — lamentou o banqueiro.

Capitão de indústria, no Brasil, o empresário Guilherme Leal, ex-candidato a vice-presidente na chapa da candidata Marina Silva (PV), em 2018, também notou o aumento da resistência dos investidores estrangeiros. Disse que muitos deles não querem mais sequer falar em investir no Brasil, por causa da política ambiental.

Amazônia

A controladora da rede de cosméticos Natura teme que a aversão dos consumidores ao redor do mundo aos produtos do Brasil saia do controle.

— Parceiros comerciais estão com uma série de ruídos. E existe um risco disso chegar aos consumidores, e aí não tem quem controle — observou Leal.

O Brasil tem sido alvo de pesadas críticas devido à destruição da Floresta Amazônica e porque o governo tem, na maioria das vezes, incentivado o desmatamento.

— O Brasil tem a matriz energética mais sustentável entre as principais economias do mundo. Poderíamos ser uma referência neste mundo da descarbonização — resumiu Markos Jank, um dos maiores especialistas em agroindústria do Brasil, a jornalistas.